Gritar de vários modos para eles ouvirem

Postado em

Análise da semana  Nossa Voz é Nossa Vida  – 22.07.2018Chegou a hora de gritar, pressionar e  fazer nosso grito tão forte que assuste autoridades, corruptos e exploradores dos trabalhadores e dos pobres, que assuste políticos corruptos e oportunistas que só se preocupam com eleitores em tempo de campanha eleitoral.

Mas por que esse grito agora, quando as eleições só serão em outubro? Mas me diga você ouvinte, quem entre nós não está sendo excluído neste país? Imagine que um vereador de Santarém usufrui um salário de 10 mil reais por mês, quando o salário mínimo para o próximo ano terá uma ajuste de apenas 40 reais, passando para apenas 990 reais.  Excluídos são todos os trabalhadores que perderam seus direitos trabalhistas e direito a aposentadoria aos 35 anos de contribuição ao INSS, excluídos são milhões de desempregados, todos que vivem em ocupações em áreas públicas, como ali no bairro Vista Alegre do Juá e na ocupação  da área da Vigia; excluídos são estudantes que o Ministério da Educação cortou verba para universidades e o governo estadual paga mal professores do ensino médio; excluídos somos todos nós da Amazônia que vemos os navios passarem carregados de minérios, madeira e soja e nós ficamos com os buracos, o desmatamento e a contaminação dos venenos chamados agrotóxicos. Excluídos são tantos outros de uma forma ou de outra.

Daí a importância de sairmos do comodismo e darmos um grande grito de basta, na semana da pátria. Basta de sermos enganados por políticos corruptos e oportunistas; basta de administradores públicos, que preferem apoiar construções de hidroelétricas e portos graneleiros e descuidar das necessidades da coletividade. O grito dos excluídos deve ir além da marcha da semana da pátria, mas começa ali. São convocados a ir às ruas todos e todas que de uma forma ou outra somos excluídos de alguns direitos. Sindicatos de comerciários, servidores públicos, trabalhadores e trabalhadoras rurais, pescadores da Colônia Z 20, Sintep, Simprosan, Famcos, Unecos, igrejas cristãs que de fato seguem Jesus.

Neste mês de agosto que chega será hora de cada grupo refletir sobre as causas de tantas exclusões sociais e motivar seus e suas congregadas a participar do grande grito na semana da pátria.Mas não basta a marcha do grito de um dia. O eco daquele grito deve chegar até o dia 5 de outubro diante das urnas eleitorais. Tanto em Santarém, como em Belterra, Mojuí, Cuaruá, Alenquer, nas comunidades rurais e em toda a região. Esse será o grito ainda mais forte, participando da votação. Serão cinco gritos com votos para presidente, governador, depurados federais e estaduais além de senador. É verdade que não está fácil de escolher candidatos honestos, competentes e ficha limpa. A desconfiança da política e dos políticos está geral. Abusaram demais de nossa confiança vereadores, deputados, governador, deputados e senadores, chegando a ditadura Michel Temer.

É certo que não podemos votar nulo, nem em branco, nem deixar de votar, pois isso só favorece os mais incompetentes serem eleitos. É preciso dar o grito na hora do voto. Daí que não podemos deixar para a última hora a escolha dos nomes. Nesses 80 dias que faltam para o dia cinco de outubro, você e eu precisamos pesquisar, analisar, conversar com pessoas de nossa confiança que possam nos ajudar a escolher candidatos honestos, competentes e com passado comprometido com o bem comum dos trabalhadores e dos pobres. Quem apoia construção de portos na boca do Maicá e apoia agronegócio, ou quem apoia Michel Temer no Congresso nacional esses deverão sumir da vida pública. Não será uma tarefa fácil porque muitos lobos se vestem com pele de ovelhas. Mas nós cidadãos e cristãos temo um compromisso com o  bem de nosso povo.

Anúncios

Padres jovens e seminaristas brasileiros tem dificuldade de seguir papa Francisco

Postado em

Editorial  RNA  – 17.07.2018

Vale a pena trazer à nossa reflexão na Rede de Notícias da Amazônia, a pessoa e missão do Papa Francisco. Com cinco anos de missão como líder da Igreja Católica, ele ultrapassa os limites da sua Igreja e é reconhecido como quase um dos únicos líderes mundiais, merecedor de ser escutado, por católicos, políticos, intelectuais e jovens. Ele não se comunica apenas com católicos, mas com toda a sociedade. Suas reflexões  incomodam os empresários capitalistas, os chefes de Estado que desprezam os imigrantes, mas também incomoda bispos e padres acomodados. Sua recente carta Laudato Si manifesta sua preocupação com o meio ambiente e a destruição do planeta e suas reflexões são bem acolhidas. Dentro desta missão global, papa Francisco convocou para o próximo ano um sínodo especial sobre a Amazônia, porque nesta grande região vivem seres humanos marginalizados, florestas destruídas, saqueios de riquezas minerais e não se pode explorar a região sem pensar no futuro da humanidade.

Por causa desta linha pastoral que liga a fé com a vida real tem gerado críticas ao papa Francisco. Mais surpreendente é que a maior parte da resistência e indiferença à sua missão está dentro da própria Igreja Católica. Mesmo no Brasil, com 60 por cento se dizendo católicos Papa Francisco não é bem aceito e seguido. Professor Oscar Beoso, sociólogo  especialista em questões da Igreja Católica, em sua análise do assunto observa que “o entusiasmo com o papa Francisco tem sido menor entre padres jovens e seminaristas. Estes clérigos por formação e prática pastoral, ficam distantes dos problemas econômicos, sociais e políticos e tem por isso, dificuldade de compreender as causas da atual crise nacional. Daí não acompanharem a linha pastoral do Papa Francisco”, conclui Oscar Beoso. Até que ponto essa análise do professor se confirma nos padres e seminaristas da Amazônia? Vale a pena os leigos analisarem e os clérigos fazerem sua auto crítica.

Como expulsar demônios nos dias de hoje

Postado em

Análise da semana – Nossa Voz é Nossa Vida – 15.07.2018

Na liturgia católica, o evangelho proclamado hoje trata do mestre Jesus que envia seus fiéis seguidores às comunidades a expulsar demônios, curar enfermos e revelar aos humildes, que assim surgia o reino de Deus. Com tal encaminhamento o mestre indicava outro jeito de se praticar a religião, menos doutrina e mais ação libertadora.

Essa reflexão evangélica chega hoje bem a propósito de dois fatos ocorridos em nossa região e um outro que vai contra o caminho de Jesus. Ontem aconteceu na comunidade Maguari,  um encontro de moradores de comunidades ribeirinhas daquela área. Foi uma manhã de diálogos informações e busca de estratégia para defender o território, ameaçado pela ganância de empresas e governos. O bem viver dos moradores de 20 comunidades está ameaçado.

Os participantes se deram conta que ameaças chegam pelo rio, tanto pelas geleiras destruidoras de cardumes de peixes, como pelos projetos de portos graneleiros na área. Eram 37 participantes de algumas das comunidades ameaçadas também pelos projetos hidroelétricos previstos pelo governo federal. Participantes  admitiram que  um dos desafios a enfrentar será a própria desunião e individualismo  de muitos moradores que vivem tranquilos como se nada fosse acontecer. Outro desafio será como  utilizar ferramentas legais para proteger seu território ameaçado por vários projetos destruidores. Protocolo de Consulta livre e bem informada é a ferramenta estudada para ser construída pelos moradores a fim de enfrentar os inimigos de seu bem viver.

Outro fato a merecer uma reflexão aconteceu no lago Grande do Curuai, na comunidade Murui. Uma audiência pública presidida pelo Ministério Público Federal e dezenas de moradores das 140 comunidades, organizadas na federação da gleba do assentamento agroextrativista, a FEAGLE. A audiência serviu para a procuradora do MPF sentir o abandono dos moradores, que esperam uma reforma agrária coletiva, mas o INCRA está ausente, assim como a prefeitura de Santarém. O Lago Grande do Curuai que já foi uma grande produtor de farinha  de mandioca, hoje as comunidades são ameaçadas pela invasão da multinacional ALCOA, que tenta iludir ingênuos comunitários  para retirar bauxita do território, mesmo sendo impedida pela existência de um território coletivo do projeto agro extrativista.  A presença de tantos moradores na audiência pública de ontem, desperta consciência de muitos ainda acomodados. Também compromete o Ministério Público  a exigir  responsabilidade tanto do INCRA como da prefeitura para com tantas comunidades do assentamento agro extrativista do Lago Grande do Curuai. Organizados e acompanhados por aliados do MPF terão força para expulsar os demônios que querem prejudicar seu bem viver.

Terceira situação a merecer nossa reflexão é a conjuntura pre eleições na região e nacional  de outubro. Por que é importante refletirmos desde agora? Simplesmente porque é nossa responsabilidade afastar da vida pública tantos candidatos que já estão aparecendo procurando seu voto.  Dia cinco de outro será sua e minha vez de votar com responsabilidade, sabendo em quem não votar e em quem votar. Serão cinco votos, desde presidente até deputado estadual, incluindo o federal, governador e senador. Sei que você está sem muita opção. Mas segue uma pista: Não vote nos  14 deputados federais e dois senadores do Pará que apoiam Michel Temer, votaram mudando as leis trabalhistas e mudando a data da aposentadoria. Também pergunte aos que chegarem a você – quando foi que lutou contra projetos hidroelétricos de Belo Monte e do Tapajós? Nunca, sabemos. Esses que são contra os trabalhadores e os estudantes, apoiando cortes de verba para educação e na saúde. Nunca mais vote eles. Mas não vote em branco, nem nulo, nem deixe de votar. Se fizer isso, apoiará sem quere os bandidos candidatos.

Temos que fazer gols pra vencer

Postado em

Análise da semana  = Nossa Voz é Nossa Vida – 08.07.2018

E agora José, a festa acabou, a selecinha arruma as malas e o caminho do feio é por onde veio. Os foguetes foram guardados para a festa do ano novo, a camisa amarela deve estar custando amanhã um e noventa e nove. Neymar o cai cai, está voltando para Espanha e continuará a faturar 14 milhões de reais por mês, sem problema.

Você que ficou triste, fique não! Não fiquei tão triste, mas por outro motivo.  Transcrevo aqui o que alguém publicou no ZAp zap que me faz refletir. Disse o autor o seguinte “Tenho a mais absoluta certeza que muitos estavam torcendo pela vitória do Brasil, não por serem patriotas, mas porque se ela se concretizasse, a multidão iria às ruas entorpecida e alienada, gritando e balançando a bandeira de um país tão machucado e que, ignorando as feridas, continuasse a se manter  passivos, quando os vampiros de todas as espécies nos sangram até a última gota de esperança. Muitos estão chorando pelo gol contra. Não consigo entender a tristeza, de todos os dias nosso país marcar gol contra: a  educação, saúde,  segurança, cuidado com os idosos e o futuro de nossos jovens que morrem pelas mãos perversas  do crime organizado.  Tantos gols contra, então é bobagem ficar triste, chateado pelo de hoje, pois ele não faz a menor diferença em nossas vidas”.

Assim se expressou o autor desconhecido. Precisamos levar isto a sério. Há uma outra  Copa, não do mundo, nem de futebol, mas no Brasil. São milhões de brasileiros fazendo gol contra, por aceitarem passivos as desgraças que a ditadura Michel Temer está impondo sobre nós. Escute esta outra reflexão de outro desconhecido que enviou pelo ZAP. Disse ele: “Não se preocupem… perder o jogo é o de menos…pior e perdermos o petróleo do Pre sal, a Eletrobrás,  a Embraer construtora de aviões nacionais, o Banco do Brasil, a Caixa Econômica, empresas estatais entregues ao capital internacional. Pior é perdermos o SUS, a Previdência social, os direitos trabalhistas, riscados por um bando de criminosos congressistas. Perdemos a vida,  com o direito de comer veneno com soja”.  Assim escreveu o autor e eu pergunto a você: por que perdemos tudo isso? Se não sabe fique sabendo, por causa de um bando de bandidos, eleitos para administrar o país para  bem de todos os brasileiros. Eles ganham excelentes salários, traem a confiança de seus eleitores e agora querem ser reeleitos em outubro próximo. Esses são nossos inimigos e não a adversários.

Por isso, não chore porque perdemos a copa da Rússia. Caia na real. Daqui a 82 dias será nossa vez de fazer cinco gols de placa, pelas urnas eletrônicas. Aí sim, você e eu precisamos ser melhores do que os jogadores da selecinha. Isto porque os pretensos candidatos a deputado estadual, deputando federal, senadores e presidente da república estão chegando de mansinho, prometendo, se eleitos, servirem ao povo.  Lembra das campanhas passadas? Eles vão se apresentar no rádio, na televisão, outros vão chegar na sua comunidade, no seu bairro e como sempre, querem seu voto e até serão capazes de comprar seu voto.

Pergunte ao pretenso candidato, ele ou ela – seu partido apoiou a mudança da lei trabalhista e a lei da previdência? Você vendeu seu voto ao ilegítimo Michel Temer para tirar dinheiro do SUS, da Educação?  Aguarde a resposta dele/a. Você perceberá se honesta e verdadeira, ou só para conquistar sua confiança. Se sentir que é falsa mande embora  logo, avisando que nem votará nele e ainda vai abrir os olhos dos parentes e vizinhos.

Só assim faremos gol de verdade neste jogo eleitoral. Há candidatos que já estão andando por aí, distribuindo coisas. Esses devem ser eliminados logo de seu voto.  Candidatos que são ficha suja, ou que já assumiram cargo de vereador, prefeito, deputado e nada fizeram pelo bem do nosso povo, devem ser eliminados de sua lista. Neste campeonato, temos que fazer gols de vitória do nosso lado, chega de fazer gol contra. Você concorda? Vá se preparando bem para ganharmos as eleições de outubro.

Isentos impostos de agrotóxicos geram 9 bilhões de reais de prejuizo à Previdência social

Postado em Atualizado em

Editorial  –  RNA  –  05,07.2018

Veja a que ponto chega a destruição dos povos da Amazônia. Tem aumentado a cada ano o número de pessoas acometidas do mal do câncer. Os hospitais do câncer em Santarém, Manaus, Porto Velho e Manaus tem filas de doentes desse mal. Cinquenta anos atrás era uma doença rara na região. Porém nos últimos 18 anos, com a entrada do cultivo da soja na Amazônia se intensificou essa praga.

Com a soja entrou também o uso intensivo de veneno agrícola, sem um mínimo de controle dos órgãos de saúde do Estado. Só na região de Santarém e vizinhos, são hoje 70 mil hectares de plantações de soja, em áreas de mil e dois mil hectares cada lote. Enquanto os plantadores de soja se apressam a ganhar seus lucros, não sentem remorso de estarem semeando câncer nos moradores ao redor de suas plantações. Os governos, na intenção de aumentar a economia do país com a exportação de soja, dispensam impostos dos usuários de venenos agrícolas.

De 2010 a 2017 o governo federal isentou esses criminosos do pagamento 100% do COFINS e do PIS/PASEP no comércio de agrotóxicos, recurso que vai faltar na previdência social. Para ampliar as desgraças aos povos, o atual governo nomeia  Ministro da Agricultura, o maior  plantador de soja do Mato Grosso, Blairo Maggi. Ele, estimula seus comandados deputados da bancada  do agronegócio a produzir um projeto de lei, que diminui a vigilância sobre o uso de venenos agrícolas.

Você e todos nós eleitores precisamos ter dignidade para nas eleições de outubro eliminar esses candidatos que apoiam o aumento do uso intensivo de venenos agrícolas. Basta identificar quem são  e nunca mais votar neles. Ou o Brasil acaba com os maus políticos, ou estes acabam com os povos da Amazônia.

SEIS DE CADA 10 ELEITORES ESTÃO INDECISOS, OU NÃO QUEREM VOTAR/e DAÍ?

Postado em

Análise da semana  – Nossa Voz é Nossa Vida  – 01.07.2018

Atravessamos o meio do ano, chegando ao início do segundo semestre. Dentro de 95 dias todos nós possuidores de títulos de eleitores deveremos estar diante da urna para depositar cinco votos, de presidente a deputado estadual, passando por senador, deputado federal e governador. Como está sua consciência de eleitor? É tempo para observar, analisar as vidas públicas de centenas de candidatos que se apresentam buscando seu voto.

Uma recente pesquisa do IBOPE constatou que 6 em cada 10 eleitores estão indecisos, ou não querem votar em outubro. Nosso dilema é como votar e em quem votar. Está provado que votar em branco ou votar nulo é contribuir para os mais  malandros serem eleitos. Portanto, mesmo sendo obrigados, precisamos usar a consciência e responsabilidade.. De minha parte já sei em quem não votar de jeito nenhum. Não votarei nos 14  deputados federais do Pará que apoiaram o Michel Temer para prejudicar os trabalhadores com a destruição das leis trabalhistas e a modificação da Previd6encia social. Entre esses se inclui dois senadores paraenses que Não terão meu voto. Mas não só. Candidatos de partidos que apoiam Michel Temer, e os que até hoje nunca denunciaram os projetos de portos graneleiros em Miritituba e Maicá, esses também não terão meus votos. Votar neles é apoiar os desmandos que acontecem hoje no país e no nosso Estado do Pará.  Portanto, faça você o mesmo e livre sua consciência de compactuar com eles. Mudar quase todos é preciso. Quando chegar algum deles olhe no olho dele e pergunte: quando foi que você denunciou as hidroelétricas de Belo Monte e do rio Cupari no Tapajós? Se le disser que já foi contra, exija um documento que prove. Se não mostrar diga que nunca votará nele.

Mudando de fato mas continuando na cidadania. Lembra ainda do padre Amaro de Anapu? O corajoso continuar da luta da irmã Dorothy? Lembra que ele foi falsamente acusado por um grupo de grileiros, fazendeiros e madeireiros de Anapu ainda no mês de março e por isso foi falsamente jugado por um juizinho de Anapu e levado ao presídio de Altamira? Pois então, finalmente o Superior Tribunal de Justiça mandou libertar padre Amaro na quinta feira passada e hoje ele está em liberdade, embora ainda com limitações impostas pelo STJ. Lembra que até um jornalzinho aqui de Santarém  publicou uma informação baseada apenas nas falsas acusações dos grileiros e madeireiros? Pois é, o STJ compreendeu que não havia motivo sério para manter o padre no presídio sem um julgamento completo e sério. Há juízes que hoje representam Poncio Pilatos, mas há alguns juízes também que seguem a lei honesta que é a justiça de Deus.

Estes dois assuntos devem servir para sua e minha reflexão. Como podemos agir com justiça de Deus e com cidadania política nas eleições de outubro.

Há ainda um outro fato que não vou ampliar mas é preciso nós estarmos alertas. O Plano Diretor do Município de Santarém, ainda no ano passado foi estudado por boa parte da população urbana e rural, foi votado em assembleia bastante participada. Só houve discordância sobre dois pontos, o projeto de construção dos portos da EMBRAPS na APA MAICÁ e a construção de prédios de vários andares em Alter do Chão e outras praias. Mesmo assim prevaleceu o voto da maioria que excluiu esses pontos do plano. De acordo com a lei federal o Plano foi encaminhado à Câmara de Vereadores para analisar se algo feria a constituição federal, caso contrário o prefeito deveria sancionar e colocar em prática. Acontece que já iniciamos o segundo semestre e os vereadores ainda não disseram porque estão demorando em fazer a revisão. Isso deixa suspeita na gente de que querem fazer a gente esquecer e eles modificarem justamente os dois pontos que a maioria votou contra, mas os empresários querem a todo custo. Portanto precisamos ficar alertas e exigir fidelidade ao que foi decidido pela sociedade em assembleia.  Alguns vereadores querem se candidatar a deputado. Pergunte deles porque estão sem aprovar o Plano Diretor e escutem a potoca que vão dizer.

Afinal, Papa Francisco enviou ou não, um rosário ao ex presidente Lula?

Postado em

Editorial RNA  — 13.06.2018

No Brasil, hoje é dia de festa para moças solteiras, pois Santo Antônio tem fama de facilitar casamentos. Mas a ditadura de Michel Temer, o ilegítimo presidente não permite muita alegria no país. Ao ponto que amanhã a seleção de futebol deve fazer seu primeiro jogo na copa mundial na Rússia, mas há pouco interesse na população. Pesquisas indicam que 55% dos entrevistados não estão interessados na copa do mundo.

Mas há uma outra notícia digna de reflexão. Outro dia um advogado argentino membro de um secretariado do Vaticano, Juan Grabrois, foi até Curitiba para levar um rosário, abençoado pelo Papa Francisco, ao ex presidente Lula, no presídio. Não lhe foi permitido entrar para a visita; alegaram que não estava no dia certo.  Isto gerou uma polêmica nos meios de comunicação do país. Um jornalista mais crítico perguntou: Por que a mídia não noticiou que o Papa Francisco mandou um rosário de presente ao Lula? Afinal, o Papa enviou ou não, o presente ao ex presidente em presídio?

Houve desmentidos e o próprio Vaticano  se corrigiu ao informar que “Grabois definiu como inexplicável a rejeição de não ter podido se encontrar com Lula a quem queria levar um Terço abençoado pelo Papa, além das palavras do Santo Padre e discutir assuntos espirituais com o ex-chefe de Estado”. Por que então a Rede Globo ignorou a visita e o presente do Papa Francisco, a Lula da Silva?

O sistema que controla a ditadura brasileira não suporta tal fato. O jornalista  Alexandre Tambelli interpretou assim: “Quando surge um Lula ou um Papa Francisco o Sistema não tem controle absoluto dos seus atos, pois, são dois líderes antissistema mais importantes do Século XXI e capazes de  atingir multidões com seus carismas, inteligências e ações revolucionárias. Lula e o Papa Francisco falam em nome da coletividade, falam em nome de um mundo socioeconômico menos desigual e trabalham no caminho oposto do Capitalismo de mercado”.

Então, se O Papa enviou o presente pessoalmente ou não, não importa, mas como o sistema ditador n Brasil se preocupa com tal gesto. Daí  as versões controversas.