Quem tem culpa pelos desastres em Minas Gerais?

Postado em

Quem tem culpa pelos desastres em Minas Gerais?

O que está acontecendo nestes dias, em Minas Gerais, centro do Brasil, não é uma tragédia ocasional da natureza. Mesmo que a empresa Samarco tenha tentado passar essa mentira de que teria havido um ligeiro terremoto causador na região. Não colou. É sim, consequência do saque inescrupuloso de empresas mineradoras e subserviência das autoridades federais, estaduais e municipais. Os grandes canais de comunicação, também dependentes das publicidades das mineradoras, passam as informações como sendo apenas erros isolados e sem culpa das empresas. Inclusive, dão mais ênfase e informações sobre os acontecimentos de Paris, culpando o terrorismo do ISIS, ignorando intencionalmente o terrorismo da França e USA  na Líbia, Iraque e demais países bombardeados por eles.

No caso das tragédias de rompimento das barragens de rejeitos de minérios, os grandes canais de comunicação tentam esconder que a multinacional brasileira VALE é uma das criminosas sócias das tragédias. Só em Minas Gerais são 43 barragens de rejeitos de minérios, várias ameaçadas também de rompimento. Mas não é só em Minas Gerais, também na Amazônia estão explorações de minérios de bauxita, cassiterita, com suas barragens de rejeito, além da exploração de ouro no rio Tapajós, feito por dragas potentes que contaminam o rio com lama, arsênico e mercúrio.

As autoridades evitam discutir essas tragédias anunciadas, pois estão presas a elas pelos financiamentos de campanhas e propinas. Os deputados e senadores estão discutindo nova lei de mineração, tentando facilitar mais ainda as mineradoras. São ridículas as multas aplicadas pela justiça à Samarco, no caso do rompimento de barragens em Minas, apenas R$250 milhões de reais, enquanto os Estados Unidos multou a petrolífera britânica BP, em função do vazamento de petróleo provocado por explosão no Golfo do México, um total R$ 76,7 bilhões !!! Segundo análises mais sérias, só a recuperação do maior rio invadido pela lama da barragem, o rio Doce levará 10 anos.

Mas as tragédias em Minas Gerais não impedirão de continuar a intensa exploração de ferro, cassiterita, ouro, bauxita e demais minérios na Amazônia. Afinal tudo isso interessa ao crescimento da economia do país e enriquecimentos das mineradoras nacionais e estrangeiras. Quanto aos prejuízos ambientais e sociais são apenas detalhes que logo esquecerão. Parafraseando o indígena norte americano: quando as últimas minas secarem, quando não houver mais água potável nos rios e lagos, quando milhões de trabalhadores forem soterrados por exploração mineral, então é que os governos progressistas lamentarão o fim do crescimento econômico baseado em extrativismo não renovável.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.