Em quem votar nas eleições municipais?

Postado em

Análise da semana – Nossa Voz é nossa vida – 15.05.2016

 

Com todo o golpe lá em Brasília, a situação não está fácil para os e as trabalhadoras e os pobres do país, do Pará e dos municípios aqui da região Oeste do Estado. Tivemos uma semana triste e vergonhosa. Deputados federais e senadores, inclusive alguns aqui da nossa região, deram início a um golpe de Estado, sem os militares e com apelido de democracia. O presidente interino, sem ter sido eleito para o cargo, assume  vergonhosamente, como conquista de um troféu.

Seus ministros todos apontados numa negociata com partidos  aliados do golpe, estão a serviço dos ricos latifundiários, banqueiros e empresários. Nenhuma mulher ministra, nenhum representante dos sindicatos. Acabaram com alguns importantes ministérios, como o dos direitos humanos, o da cultura, o da igualdade social.

A justiça federal e o Supremo Tribunal Federal são hoje suspeitos de deixar de lado a Constituição e fazer política  em vez de cumprir as leis. Fazem acusações, mandam prender acusados de um partido e protegem outros de partidos de sua simpatia.

No Estado do Pará, o governador abandonou o Oeste e só governa para Belém e seus arredores. É o que ele mesmo revela toda manhã no programa Prestando Contas, sem a menor cerimônia. Basta observar o abandono de tantas urgências de população desta região: estrada Translago, rodovia  que vai de Prainha até Oriximiná, Cosampa, greves de funcionários públicos, sem falar no estádio Colosso do tapajós. Como é que o governador vai apoiar candidatos a prefeitos e vereadores nos municípios da região? Quem vai confiar em seus apoiados?

Aliás, por falar em candidatos municipais, como serão as eleições em outubro próximo? Que candidatos merecerão confiança dos eleitores, depois de quatro anos de prefeituras e câmaras de vereadores ineficientes, promessas de campanhas passadas, não cumpridas. Quem dos pre candidatos já dando as caras, merecerá nosso voto? Provavelmente todos ou quase todos os atuais vereadores e prefeitos da região, querem ser reeleitos. Mas pelo que fizeram nos últimos anos, algum merece seu voto? Não está na hora de os atuais darem a vez para novos eleitos? Mas, e os novos pre candidatos, olhando seu passado de lutas pelo povo, pelas comunidades, será que merecem voto de confiança? Todos esses questionamentos são feitos agora para que você eleitor e eleitora, tenha tempo e interesse para ver se alguém dos candidatos que vão se apresentar em sua comunidade, pode merecer seu voto.

Com todas as experiências passadas, não dá mais para se confiar em promessas de campanha. É preciso responsabilidade de todos nós eleitores e eleitoras. Isso implica cuidarmos de examinar a história de cada um deles e delas. Pra merecer seu voto e o meu, não se pode olhar só para as promessas futuras, mas para a prática cidadã do passado de cada um deles. Se algum prefeito incompetente, ou irresponsável for eleito a culpa será dos eleitores. Esses são criminosos. Os tempos hoje são graves e precisam de cidadãos responsáveis para não acontecer o que está acontecendo hoje em Brasília e em vários municípios da nossa região. Todos estamos pagando um preço muito caro.

O Papa Francisco também está preocupado com a situação do Brasil, da Argentina e de toda a América do  Sul. Ainda na semana passada ele falou publicamente lá no Vaticano. Disse que está atento ao que acontece na América Latina e especialmente no Brasil. Ele rezou,  para que o Brasil nestes momentos de dificuldades, prossiga nos caminhos da harmonia e da paz, com ajuda de orações e diálogo”. Realmente o Brasil precisa de muita reza e fé, pois o que falta muito é diálogo, honestidade de muitos políticos e respeito aos direitos humanos. Além de orações e fé é preciso também seriedade e honestidade dos e das eleitoras.

 

O que muda nos ministérios do Interino presidente:

1.Previdência social – ficar subordinada ao ministério da fazenda.  Não mais será um direito social;

  1. Cultura – deixa de ser um ministério para ser um apêndice de outro ministério;
  2. Ministério do desenvolvimento agrário – ficou misturado com assistência social num novo nome de ministério social;
  3. Secretaria de Direitos humanos – agora quem cuidará de resolver conflitos é a polícia.
  4. E assim diminuíram os ministérios mais sociais e mantiveram os principais nas mãos da oligarquia empresarial. Assim, o Ministério da agricultura ficou com o maior latifundiário da soja do Mato Grosso, Blairo Maggi; o Ministério da fazenda ficou com um banqueiro, Henrique Meireles, para atender os interesses dos bancos, que mais ganham lucros no país; O ministério das relações exteriores ficou com José Serra de triste memória e submisso aos interesses norte americanos. Para o ministério da Justiça Michel Temer chamou um truculento secretario de segurança de São Paulo, Alexandre Morais, que tem costume de resolver os problemas de conflitos na base da bala de borracha e violência policial. Ver no zap a nota pública de protesto dos movimentos sociais e OAB Pará….
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.