Mês: março 2017

Que é a verdade? presidente certo para a hora certa, ou Fora Temer?

Postado em Atualizado em

Editorial RNA – 28.03.2017

Nas redes de televisão nacionais, madrinhas ou dependentes do governo interino de Michel Temer, está aparecendo uma propaganda oficial assim: “ O Brasil de Temer, o Presidente certo para a hora certa”. Repete e repete, sem dizer para quem o presidente é certo hoje. Tudo indica que essa é um contraponto a uma outra frase que é repetida constante nas ruas e manifestações populares. Ela diz – “Fora Temer, Fora Temer”.

Afinal qual das duas frases é mais correta nos dias de hoje, o presidente certo, ou o fora Temer? Os canais de televisão repetem a frase porque estão ganhando dinheiro e favores do governo interino. A história lembra uma ideologia do amigo de Hitler, Goebels afirmando que “uma mentira repetida muitas vezes acaba parecendo verdade”.

Os que que gritam Fora Temer, estão cientes que os governantes hoje estão criando decretos e leis para massacrar os trabalhadores, os estudantes e os pobres. Basta entender o conteúdo do projeto de lei de reforma da previdência, que vai obrigar os trabalhadores a só se aposentar com noventa anos, quando o próprio Michel Temer se aposentou com 55 anos e continua ganhando salário e benefícios de presidente. Os trabalhadores sabem que com a lei da terceirização, não mais terão garantia de décimo terceiro salário, férias, décimo, salário maternidade, entre outros direitos trabalhistas. Enquanto os direitos dos deputados e senadores de se aposentar após concluir o mandato não são mudados. Que moral tem eles para ´prejudicar a maioria dos brasileiros e não mudar seus benefícios?

Mais do que frases contra o governo interino, são as marchas pelas ruas e a Nota pública dos bispos do Brasil. A CNBB declara imorais essas novas leis e decreto, que prejudicam as vidas do povo brasileiro. Daí também importante os e as ouvintes da Rede de Notícias da Amazônia fazerem protestos e cartas públicas contra essas imoralidades.

Anúncios

Ditadura civil Brasil ladeira abaixo

Postado em

ANÁLISE DA SEMANA –  Para NOSSA VOZ É NOSSA VIDA – 26.03.2017

A situação social e econômica do Brasil está indo ladeira abaixo, com graves consequências para os trabalhadores e os pobres deste país. A ditadura Michel Temer/Meireles, junto com deputados e senadores, que não mais representam seus eleitores, é perversa. Está impondo na marra, sem um pingo de moralidade a destruição dos direitos dos brasileiros/as.Como no resto do país, os moradores dos municípios de Santarém, Belterra, Mojuí, Curuá, Alenquer, Monte Alegre e todos os outros do Oeste do Pará, estão sendo roubados em seus direitos trabalhistas e sociais. Com a recente lei votada pelos deputados e a ser aprovada pelo Michel Temer, a terceirização dos empregos, os trabalhadores não se terão mais férias, nem décimo terceiro salário, nem licença maternidade, entre outros prejuízos.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB publicou nestes dias uma nota pública, mostrando a imoral lei da terceirização e a da reforma da previdência.  Uma das coisas que eles afirmam é: “artigo sexto da Constituição federal de 1988 estabeleceu que a Previdência social seja um direito social dos brasileiros e brasileiras. Não é um favor do governo, nem um privilégio. Foi conquistado com intensa participação democrática; qualquer ameaça a ele merece imediato repúdio.” Ao final, da nota pública, os bispos afirmam: “convocamos os cristãos e pessoas de boa vontade, particularmente nossas comunidades, a se mobilizarem sobre essa reforma da previdência, a fim de buscar o melhor para nosso povo, principalmente os mais fragilizados”. Não só porque os bispos brasileiros convocam, mas pela urgente necessidade de resistir a tantas violações de direitos adquiridos, não podemos cruzar os braços, ou ficar apenas lamentando e xingando o governo ditador. Pelo Brasil inteiro a sociedade civil organizada está preparando nova marcha pelas ruas contra a reforma da previdência e a lei de terceirização do trabalho.

Será na próxima sext a feira, dia 31. Também aqui nas cidades e comunidades de Santarém, Belterra, Mojuí, Monte Alegre e todo o oeste do Pará, não se pode ficar parado, é preciso ir às ruas, ou ao menos reunir no sindicato, na igreja e associações de moradores, procurar entender a gravidade da bandidagem dos políticos, escrever uma nota de repúdio e enviar à Rádio Rural para ser lida e tornar público seu repúdio ao governo que destrói a segurança dos trabalhadores. Vamos lembrar aqui os deputados federais do Pará que votaram contra o povo, apoiando a lei da terceirização: Chapadinha, Vladimir Costa, Hélio Leite; Joaquim Passarinho; José Priante; Josué Bergtson; Júlia marinho; Lúcio Vale; Nilson Pinto. Gravem estes nomes e jurem perante sua honra que nunca mais votarão neles nem para presidente de associação de moradores. Mas não só estes, é preciso questionarmos seus partidos aqui no município, como os filiados permitem que seus deputados votem contra o povo. Qual a decisão deles? Estes são os partidos cujos deputados votaram contra o povo: PMDB; PSDB; Partido Progressista, PTN, PHS; PR; PSD; PSB; DEM; PTB, PROS; PSL; PRB; PSC; PV. É preciso interrogar os vereadores e membros desses partidos aqui em seu município, como eles analisam os votos de seus colegas de partido, se eles concordam e por quê. Haverá punição a esses deputados criminosos ou não? O que não se pode fazer é ficar calado, alguma coisa tem que ser feito, padres, pastores, líderes de sindicato, professores, estudantes, associações de moradores, enfim, todos que defendem os direitos hoje violados pelos políticos criminosos que votaram pela tal lei da previdência social e a lei da terceirização do trabalho. Quem se cala consente diz o ditado.

 

Macacos ou governo federal com febre amarela?

Postado em Atualizado em

ANÁLISE DA SEMANA PARA NOSSA VOZ É NOSSA VIDA – 19.03.2017

Dois acontecimentos, entre outros, merecem uma reflexão que amadureça nossa consciência cidadã. Um deles, as manifestações desta semana, contra a atual ditadura no país; outro, sobre essas repentinas mortes de macacos com suspeita de febre amarela.

Vamos com o primeiro acontecimento. As grandes marchas em defesa dos direitos dos brasileiros ameaçados pela perversa proposta de reforma da Previdência. Santarém, Monte Alegre e Itaituba participaram dessa imensa manifestação de repulsa à ditadura Michel Temer. Confirmada a lista de grandes marchas em 125 cidades brasileiras, incluindo 25 capitais. Em São Paulo 200 mil pessoas encheram as ruas no aviso ao Michel temer, de que não aceitarão esse crime contra os brasileiros. O gigante que até então vivia deitado eternamente em berço esplêndido, despertou, Os corruptos políticos saberão que de agora em diante, os filhos da grande pátria não temem a luta; nem o Temer, nem a própria morte, para defender as vidas de seus filhos e netos. Nesta semana o Senador Paulo Pain deu o recado da tribuna do senado ao presidente: Você Michel Temer, só tem duas opções: ou retira a proposta de reforma da previdência agora, ou renuncia ao cargo.  Infelizmente, boa parte dos deputados federais ainda se submetem aos interesses do poder central e apoiam o perverso projeto da reforma. Entre eles, nove dos dezessete federais são do Pará.

Lamentavelmente a maioria dos brasileiros não pode saber que foram milhões a se manifestar nas marchas pelas ruas. Isto por que todos as grandes redes de televisão omitiram essas informações. Globo e Bandeirantes e Recor, preferiram mostrar dificuldades do trânsito em várias cidades acusando as marchas como causas. Essas redes não informam corretamente porque estão submissas ao governo federal pelas dívidas que tem e pelos favores que recebem. Basta ver as propagandas da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil em todas.

A liderança da Igreja católica foi estimulada pelo Papa Francisco a participar das marchas pela defesa da vida e da justiça social. No Pará o bispo de Marabá, dom Jesus, participou da marcha e fez pronunciamento denunciando a ditadura que prejudica os pobres e os trabalhadores.

A luta de classes está declarada, ricos contra os pobres. Nessa guerra o apoio do Papa Francisco é claro ao dizer: “nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos”.

Outro acontecimento é o alarmante caso de mortes de macacos em vários estados, supostamente atacados de febre amarela. Como explicar que os macacos mortos quase ao mesmo tempo, eram de estados distantes como Bahia, Maranhão, Rurópolis e Alenquer no Pará? Será mesmo uma epidemia? Ou será uma forma de as grandes redes de televisão desviarem as atenções da gravidade da ditadura Temer? Até agora não foi confirmada nem a causa da morte da criança de Alenquer. Mas já anunciam disponibilidade de vacina em vários postos de saúde. Macacos e outros animais morrem todos os dias, especialmente com a destruição de florestas e uso intensivo de inseticidas e herbicidas nas plantações de soja, milho e canaviais. Basta perceber a invasão de abelhas nas cidades, por que elas chegam? Isso, as redes de televisão não alarmam a população. Uma pesquisa séria poderá descobrir que tantos macacos, tatus, tamanduás, estão morrendo envenenados por agrotóxicos.

Estas análises hoje devem servir de alerta aos ouvintes da Rádio Rural para não engolirem meias verdades e até mentiras, passadas pelas grandes redes de televisão. E as marchas populares da semana, em 125 cidades brasileiras, inclusive várias aqui do Pará, devem estimular outras associações, sindicatos, comunidade de base, igrejas cristãs a se juntarem à grande defesa dos direitos dos trabalhadores ameaçados pela  tal reforma da Previdência social.

Verdades e mentiras locais e nacionais

Postado em

Análise da semana – Programa Nossa Voz é Nossa Vida – 12. 03. 2017

Uma semana de verdades e mentiras na sociedade. Umas nem sempre fácil de distinguir das outras. Mas é possível, vamos lá.

Verdade, que o não asfaltamento da rodovia Santarém Cuiabá continua incompleto há muito tempo. De repente o governo decide acelerar a conclusão desse serviço. Se alguém pensar que é para cuidar dos milhares de moradores que vivem ao longo da rodovia e nas cidades de Trairão, Novo Progresso e Morais Almeida, está enganado. A pressa atual é por causa dos atoleiros que deixaram dezenas de carretas carregadas de soja atoladas por causa das chuvas. Carretas de soja interessam aos sojeiros do Mato Grosso e ao governo federal. Moradores ao longo da rodovia são obstáculos ao crescimento econômico.

Mentira que o governo municipal de Santarém faz contratação de temporários por emergência. A verdade seria ele abrir concurso urgente para admitir funcionários estabilizados no serviço público. Essa forma apressada de abrir vagas, só dá garantia para quem está apadrinhado por alguém que tem poder diante da gestão pública. Quem discorda?

Verdade que o Programa Minha Casa minha Vida continua inacabado e prejudicando os que já conseguiram uma morada no bairro salvação, porém, ninguém ainda pode assumir uma no conjunto da Moaçara. Mas criminosamente, os poderes públicos simplesmente canalizaram os esgotos do novo bairro para o lago do Papucu, no bairro Maracanã. Dizem alguns que esse esgoto passa primeiro pela estação de tratamento no bairro do Mapiri. Mas examinando no local, um grupo de militantes constatou sexta feira que a fedentina está espalhada no lago. Poluição de vários modos.

Mais uma mentira municipal. O governo passado criou um biombo chamado Núcleo de Gerenciamento de Obras, NGO. Para isso exigiu que os obedientes vereadores criassem uma lei. Estes, mesmo com a pressão da sociedade civil organizada pressionando, criaram o biombo. Cínicos vários vereadores justificavam a necessidade de criação do tal NGO. O biombo político criou emprego para 18 novos funcionários, cujo líder passou a ganhar 10 mil reais\mês, fora os outros. Gerenciaram o quê? Estão aí obras inacabadas e o então líder do NGO está sendo acusado de improbidade administrativa, junto com o ex prefeito.

Verdade, o governo Michel Temer está prejudicando barbaramente todos os trabalhadores e os pobres. A reforma da previdência é um genocídio em câmara lenta. Aposentadoria só com 90 anos de vida, se chegar. Reforma da lei trabalhista tira todo poder de luta dos sindicatos e favorece os patrões. Isso é verdade cruel.

Mais outra mentira do governo Michel Temer, dizer que vai dilatar o prazo de aposentadoria caso contrário a previdência poderá falir. Estudiosos provam que se o governo cobrasse com rigor grandes empresas e bancos que devem à previdência, haveria uma arrecadação de 400 bilhões de reais e não precisaria prejudicar os trabalhadores. Tal omissão, além de mentirosa é criminosa.

Mais uma verdade dolorosa. Tudo isso acontecendo no município e no país, mas a sociedade continua passiva, murmurando sem uma atitude de resistência. Onde estão os sindicatos? As associações de bairros, as igrejas que defendem a justiça de Deus? Diz uma cantiga – o povo reclama que é explorado, mas o povo mesmo que é o culpado, porque só reclama e fica calado, não pode haver guerra com um só soldado. Verdade, ou mentira?

excepcionalmente esta matéria

Postado em

MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO
AOS FIÉIS BRASILEIROS
POR OCASIÃO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE DE 2017

 

Queridos irmãos e irmãs do Brasil!

Desejo me unir a vocês na Campanha da Fraternidade que, neste ano de 2017, tem como tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”, lhes animando a ampliar a consciência de que o desafio global, pelo qual toda a humanidade passa, exige o envolvimento de cada pessoa juntamente com a atuação de cada comunidade local, como aliás enfatizei em diversos pontos na Encíclica Laudato Si’sobre o cuidado de nossa casa comum.

O criador foi pródigo com o Brasil. Concedeu-lhe uma diversidade de biomas que lhe confere extraordinária beleza. Mas, infelizmente, os sinais da agressão à criação e da degradação da natureza também estão presentes. Entre vocês, a Igreja tem sido uma voz profética no respeito e no cuidado com o meio ambiente e com os pobres. Não apenas tem chamado a atenção para os desafios e problemas ecológicos, como tem apontado suas causas e, principalmente, tem apontado caminhos para a sua superação. Entre tantas iniciativas e ações, me apraz recordar que já em 1979, a Campanha da Fraternidade que teve por tema “Por um mundo mais humano” assumiu o lema: “Preserve o que é de todos”. Assim, já naquele ano a CNBB apresentava à sociedade brasileira sua preocupação com as questões ambientais e com o comportamento humano com relação aos dons da criação.

O objetivo da Campanha da Fraternidade deste ano, inspirado na passagem do Livro do Gênesis (cf. Gn 2,15), é cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho. Como “não podemos deixar de considerar os efeitos da degradação ambiental, do modelo atual de desenvolvimento e da cultura do descarte sobre a vida das pessoas” (LS, 43), esta Campanha convida a contemplar, admirar, agradecer e respeitar a diversidade natural que se manifesta nos diversos biomas do Brasil – um verdadeiro dom de Deus – através da promoção de relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles vivem. Este é, precisamente, um dos maiores desafios em todas as partes da terra, até porque as degradações do ambiente são sempre acompanhadas pelas injustiças sociais.

Os povos originários de cada bioma ou que tradicionalmente neles vivem nos oferecem um exemplo claro de como a convivência com a criação pode ser respeitosa, portadora de plenitude e misericordiosa. Por isso, é necessário conhecer e aprender com esses povos e suas relações com a natureza. Assim, será possível encontrar um modelo de sustentabilidade que possa ser uma alternativa ao afã desenfreado pelo lucro que exaure os recursos naturais e agride a dignidade dos pobres.

Todos os anos, a Campanha da Fraternidade acontece no tempo forte da Quaresma. Trata-se de um convite a viver com mais consciência e determinação a espiritualidade pascal. A comunhão na Páscoa de Jesus Cristo é capaz de suscitar a conversão permanente e integral, que é, ao mesmo tempo, pessoal, comunitária, social e ecológica. Reafirmo, assim, o que recordei por ocasião do Ano santo Extraordinário: a misericórdia exige “restituir dignidade àqueles que dela se viram privados” (Misericordia vultus, 16). Uma pessoa de fé que celebra na Páscoa a vitória da vida sobre a morte, ao tomar consciência da situação de agressão à criação de Deus em cada um dos biomas brasileiros, não poderá ficar indiferente.

Desejo a todos uma fecunda caminhada quaresmal e peço a Deus que a Campanha da Fraternidade 2017 atinja seus objetivos. Invocando a companhia e a proteção de Nossa Senhora Aparecida sobre todo o povo brasileiro, particularmente neste Ano mariano, concedo uma especial Bênção Apostólica e peço que não deixem de rezar por mim.

Vaticano, 15 de fevereiro de 2017.

Franciscus PP.