Ditadura com disfarce de democracia

Postado em

ANÁLISE DA SEMANA – NOSSA VOZ É NOSSA VIDA – 27.08.2017

Você lembra uma cantiga popular que dizia: O povo reclama que é explorado, mas o povo mesmo que é o culpado; porque só reclama e fica parado, não pode haver guerra com um só soldado… Será verdade que nós somos culpados por toda essa bandalheira que está acontecendo no Brasil e até aqui em nossa região? Você se sente culpado por ter votado em fulano, ou cicrano para deputado, senador, governador ou presidente? Outro dia ouvi pelo rádio uma frase bastante forte. Dizia o locutor, “corrupção existe no mundo todo, mas no caso do Brasil, a coisa ultrapassa os limites do absurdo…” Sabe que é verdade essa afirmação?

A ditadura do governo Michel Temer ultrapassou até a perversidade da ditadura militar de 1964/1985. Se aquela foi muito perversa, a ditadura Temer, além de perversa é destruidora do patrimônio brasileiro. Ela despreza tanto ou mais que a outra, os direitos dos 150 milhões de brasileiros das classes média e pobre. Estão eles destruindo a constituição cidadã de 1988 sem o menor constrangimento. Tudo a serviço da classe rica que compõe apenas 15 por cento da população.

Eis os mais recentes absurdos dessa ditadura. Agora Temer decide privatizar vários aeroportos, como também a maior empresa estatal de energia elétrica, a Eletrobrás e vai privatizar a fábrica de fazer dinheiro do Brasil, imagine!. Para completar a imoralidade pública, o ainda presidente Temer assinou decreto acabando com a Reserva de proteção ambiental Renca (Reserva Nacional de cobre  e associados) aqui entre os Estados do Pará e Amapá. Esta Reserva tinha sido protegida desde 1984 intocável. Por que Michel Temer fez mais essa perversidade aos povos indígenas, floresta e meio ambiente? Ali estão várias minas, de ouro, nióbio, cobre, ferro, platina, fosfato, tântalo, bauxita, paládio, etc. Toda essa riqueza será entregue às empresas nacionais e estrangeiras. Sem consulta aos povos indígenas que vivem ali próximo, sem consulta aos ribeirinhos do Pará e Amapá, sem consulta aos brasileiros que vivem nos dois estados e não usufruirão das riquezas extraídas. Michel Temer não teme ser punido por tais crimes, por que está a serviço da classe rica que garante sua permanência no cargo. Em nota pública o cínico ditador afirmou: ”o compromisso do meu governo é com soberano desenvolvimento sustentável da Amazônia”.

Mas será mesmo que o povo vai continuar parado diante de tantos abusos da ditadura Temer? Nem no Pará e Amapá? Nem em Santarém? Nem você que ouve informações desses absurdos?

O governador Jatene parece estar aplaudindo a destruição da Reserva no Pará/Amapá. Ele mesmo está sendo acusado de trambicagem. Aqui mais perto, o prefeito de Belterra tenta mudar a lei municipal para exercer dois serviços, como prefeito e como médico. Uns perguntam por quê? além de violar a lei, deixa entender que como prefeito, tem muito pouco a fazer, por isso quer preencher o tempo e o bolso com outro emprego. Triste Belaterra nossa terra. E aqui em Santarém, a Câmara de vereadores está com a corda no pescoço. Caça ou não, seu ex presidente flagrado em vários delitos de corrupção? Qual pode ser a dúvida dos nobres vereadores? Se não caçarem o colega, serão suspeitos de corporativismo protetor; se caçarem o homem, ele poderá abrir o bico e acusar colegas de terem feito semelhante delito e aí… dirá, atire a primeira pedra quem não tem pecado. Olha que situação ein?!

Assim está o triste Brasil, o dolorido Pará e o sofrido povo de Santarém e oeste do Estado. E você vai continuar conformado? Calado  e fingindo não ver?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.