Mês: abril 2018

Jornalismo objetivo x falsas notícias

Postado em

O que está por trás das palavras…

Comissão Justiça e Paz Diocesana – Thiago Rocha e Pe. Edilberto Sena – publicado no jornal IMPACTO de Santarém – 27.04.2018

Nada acontece por acaso.  Pergunta-se, então, o que está por trás das acusações e prisão do pároco de Anapu, Padre Amaro? O Jornal IMPACTO, do dia 20.04.18, estampou uma matéria de bom tamanho, dando a entender que o referido sacerdote seria um criminoso perigoso e, por isso, deveria ser entregue, como o foi, à zelosa polícia, liderada por um muito zeloso delegado, para receber ordem de prisão de um juiz, também muito zeloso, que o mantém preso em Altamira, supostamente para proteger a sociedade de Anapu. Sem fazer muito esforço de raciocínio, também é de se perguntar quem teria fornecido todas as informações que serviram para embasar as denúncias ao delegado? Resposta mais óbvia não há: um grupo de 15 grileiros da região.

Esses indivíduos são os mesmos que, desde os dias da Irmã Dorothy Stang, assassinada por eles e/ou a mando deles, não se conformam com o padre incômodo em seus calcanhares. Irmã Dorothy era também acusada pelos grileiros de ser agitadora e insufladora de invasão de terras de fazendeiros; Padre Amaro, membro da Comissão Pastoral da Terra, seguia a mesma linha evangélica da freira assassinada. Por que, então, eles não mataram também o padre? Ora, os grileiros sabiam que seria perigoso demais mais um cadáver por conta do real problema que aflige aquela área de terras ricas em madeira, minérios e própria também para pastos. Resolveram fazer o que acabam de fazer com o Padre Amaro, denunciam-no de maneira torpe com objetivo de intimidá-lo.

Por que o jornal IMPACTO não se preocupou em colocar o fato dentro da grave situação de conflitos agrários na região de Anapu, sabedor que é de que, naquela região, o INCRA conseguiu criar o Projeto de Desenvolvimento Sustentável, o PDS, sonho de Ir. Dorothy continuado pelo Padre Amaro, que, por lei, o proprietário de cada lote só pode desmatar 20% da área? Por ventura, o Impacto desconhece que o sacerdote preso, seguidor da pastoral da irmã Dorothy e membro da Comissão Pastoral da Terra, cuidava de orientar os posseiros do PDS, para que não se deixassem ser induzidos a vender as madeiras, a derrubar floresta além dos limites e a não permitir a presença dos grileiros que invadiam vários lotes do PDS? Isso é papel de qualquer jornal que pretende informar seus leitores imparcialmente.

No entanto, a notícia veiculada mostra apenas o que fizeram os verdadeiros criminosos, isto é, arrumaram uma falsa lista de acusações para desqualificar o padre que tanto incômodo lhes tem causado.  Até agora, não há fatos comprovados das acusações. Foram os grileiros que entregaram as acusações ao delegado, que imediatamente mandou a polícia prender o padre em plena rua. Não mostra, porém, que, se aqueles arrumaram acusações, o Ministério Público em Anapu solicitou arquivamento do processo por falta de provas, nem sequer faz referência à nota publicada pela CPT a respeito das tensões em Anapu, no dia 13.11.2015, em que já descrevia a situação em Anapu: Esta situação tem se agravado entre julho e a presente data, com o registro de sete assassinatos, já conhecidos da opinião pública. Seis destes assassinatos ocorreram no contexto de um conflito no Lote 83, do qual um dos pretensos donos é Regivaldo Pereira Galvão, o Taradão, condenado como um dos mandantes da morte de Irmã Dorothy Stang, em fevereiro de 2005. Infelizmente, não se pode confiar na Polícia Civil para investigar os casos de homicídio, pois todos os assassinatos até agora foram caracterizados como “crime passional”, “rixa pessoal” ou “discussão”, portanto descaracterizando qualquer ligação com a questão agrária”.

Também não se referiu a nenhuma palavra dita, no dia 18 deste mês, pelo Padre Paulo Joanil, assessor da CPT no Pará, sobre a causa real da prisão e condenação do Padre Amaro, em entrevista nacional: “Trata-se de uma prisão política com o objetivo de tirar da região uma liderança da Igreja, porque ele está atrapalhando os interesses do latifúndio, o qual está invadindo ferozmente os PDS, uma área pública onde estão assentadas várias famílias”.

É possível detectar-se, assim, que a limitação do jovem jornalista do IMPACTO foi construir uma narrativa parcial, sujando a imagem do padre. Isso não é jornalismo profissional. Para sê-lo, deveria investigar todos os lados da questão. Com tal pobreza profissional, leitores e leitoras do referido jornal, poderão ficar convictos de que os grileiros de Anapu são justiceiros honestos e o Padre Amaro, um bandido pervertido. Pode isso?

 

Anúncios

Amanhã será outro dia e você vai se dar mal…quem?

Postado em

Análise da semana  –  Nossa Voz é Nossa Vida  –  29.04.2018

Quem confia na pessoa e projeto de Jesus de Nazaré, não desanima  mesmo quando a conjuntura parece sem esperança. No Evangelho a ser proclamado em muitas igrejas neste domingo, o mestre Jesus dá garantia a seus seguidores dizendo – “se vocês ficarem ligados a mim e eu a vocês, com certeza produzirão abundantes frutos”.  Esta é a confiança necessária a quem vive nessa  realidade regional e nacional.

É possível que você esteja enfrentando graves desafios pessoais, comunitários e regionais. Certamente que outros estão enfrentando  lutas em defesa da vida, em disputas de território, agressões às matas, rios, e meio ambiente. São realidades às vezes sem esperança para  a maioria do povo. Nesses momentos é que precisamos de  persistência e solidariedade de outros que sofrem como a gente.

Trago hoje para nossa reflexão, duas experiências de grupos que firmemente lutam por seus direitos, enfrentando inimigos.

A primeira que vale a pena você e eu aprendermos indica que povo unido é o braço de Deus. Durante a semana que passou a Articulação dos povos Indígenas do Brasil, APIB realizou em Brasília, o Acampamento Terra Livre. Mais de 3  mil indígenas de mais de 100 povos fizeram grandes manifestações diante do Congresso Nacional e do Ministério da Justiça. Foram lá exigir respeito a seus direitos. Denunciaram o esvaziamento da FUNAI, cobrando nomeação de uma diretoria comprometida com os direitos dos povos indígenas, como assistência à saúde, educação especializada às culturas dos indígenas. Não foram implorar esmola, nem pedir favores. Pressionaram o ilegítimo presidente Michel Temer a respeitar a Constituição e não submeter-se aos interesses de mineradores, fazendeiros e agronegócio. Os políticos  e governantes sentiram que não enganam mais povos esclarecidos como os indígenas. Inclusive do povo Munduruku do Tapajós estavam representantes exigindo a demarcação e legalização das terras indígenas do médio Tapajós.

A segunda  experiência reflete a canção que diz que povo unido é a força de Deus. O bairro Vista Alegre do Juá  ao lado da avenida Fernando Guilhon, em Santarém, fará nos próximos dias grande manifestação dentro da prefeitura. Há 4 anos o Movimento de Trabalhadores em luta por moradia, MTLM vem ocupando uma área  abandonada. Hoje são mais de mil famílias que construíram seus barracos, abriram ruas e travessas, reservaram áreas para escola, posto médico e campo de futebol. A rede Celpa já implantou eletricidade. Só que alguém foi ao juiz, alegando ser dono da terra e requereu reintegração de posse. O juiz, sem levar em conta  o grave problema da moradia e as necessidades dos sem teto, ordenou a reintegração de posse. Como  essa pendenga não foi solucionada, a associação do bairro, pela direção do MTLM foi ao prefeito Nélio Aguiar requerendo que ele usasse a lei nacional REURB, Regularização Urbana de áreas Ocupadas. O prefeito tirou o corpo fora de sua responsabilidade, alegando que a área estava em litígio. Ora, exatamente por essa razão ele tem autoridade para regularizar. Se ele tivesse compromisso social com os sem tetos, mandaria sua assessoria jurídica  primeiro examinar a legitimidade da propriedade de quem se diz dono. Caso isso fosse verdade ele teria que desapropriar de acordo com a lei e legalizar o Bairro. Mas o prefeito não quer entrar em conflito com os que se dizem dono de área desocupada a mais de 50 anos. Por esse motivo,  o Movimento de trabalhadores em luta por moradia, MTLM está organizando levar mil ocupantes do bairro Vista Alegre do Juá, para cobrar do prefeito que ele foi eleito dizendo que governaria com o povo e para o povo. Então que tenha palavra e use a lei da REURB.

Esses dois exemplos de luta democrática devem inspirar outras comunidades, outros movimentos populares a não desistir de luta pelo que é justo. O povo unido é a liberdade de Deus  concretamente.

 

Nem frio, nem morno na atual conjuntura

Postado em

Nesse tempo de trevas, cristão não pode ser frio, nem morno

Pe. Edilberto Sena – Comissão Justiça e Paz da Diocese – 17.04.2018B

Nosso país vive um tempo de trevas, política, social, econômica e moral. As consequências para os trabalhadores e os pobres são graves e por longo tempo. Nossa Amazônia, que já é o almoxarifado do capital destruidor, com esta ditadura fica mais destruída. A constituição nacional vai sendo ignorada cada dia, pelo desgoverno Michel Temer, pelo Congresso Nacional e pelos ministros do Supremo Tribunal Federal.

A ditadura Temer aumenta a desigualdade social. Hoje são cerca de 60 milhões de brasileiros a depender do programa Bolsa Família e cada dia aumenta mais. O programa Minha Casa minha Vida teve um corte de investimento em 50 por cento nos últimos dias. O salário mínimo neste e no próximo ano vai perdendo valor, por não acompanhar o índice da inflação. Com a imposição do corte de gastos públicos até o ano 2036, sofre o cuidado com educação e saúde. O Ministério de educação já decidiu que o governo federal não tem mais obrigação de garantir ensino médio gratuito. Com isto jovem pobre estará excluído de concluir seus estudos, por falta de recurso para frequentar escola paga.

O ilegítimo presidente Michel Temer tem conseguido toda essa destruição de democracia, comprando consciências de deputados e senadores e conivência do judiciário. Para se ter ideia da corrupção legalizada, a destruição das leis trabalhistas, foi feita pela compra de votos dos deputados e senadores, que para isso fizeram emenda na constituição. Assim, dos 17 deputados federais do Pará, 14 venderam seus votos ao Michel Temer, ajudaram a destruir as leis trabalhistas e agora chegam à região anunciando que trazem verbas para obrinhas, como orla fluvial, hospital de Alenquer, etc. Dois dos três senadores do Pará também venderam seus votos e agora aparecem anunciando verbas para obras em alguns lugares.

As próximas eleições nacionais em outubro

Neste contexto de corrupção, a anti democracia chega a novo período eleitoral.  Dentro de seis meses todos os e as eleitoras serão obrigados a comparecer diante das urnas. Seremos chamados a escolher um presidente, dois senadores, deputados federais, um governador e deputados estaduais. Mas se a situação é assim tão imoral, em quem votar? Se os mesmos que destruíram as leis trabalhistas e se submetem ao ditador Michel Temer se apresentam como candidatos, o que esperar deles? Alguém honesto e vítima da desmoralização dos políticos, ainda vai votar num deles? Quem troca seu voto por algum favor é tão imoral quanto esses deputados e senadores que apoiam o ditador Temer.

A CNBB e a Conjuntura brasileira

Diante dessa realidade cruel, como se posicionam os bispos brasileiros, nestes dias em assembleia nacional em Aparecida do Norte, São Paulo? 200 bispos estão reunidos em oração e debates sobre o papel evangelizador da Igreja Católica e seus pastores. Eles tem recebido  questionamentos e pressões de grupos de leigos de comportamentos opostos. De um lado, grupos reacionários, piedosos criticam  bispos, padres e leigos das CEBs e das pastorais sociais. Querem uma condenação dos bispos ao que consideram desvios da doutrina cristã. De outro lado.  Cristãos comprometidos com a libertação buscada por Jesus de Nazaré, cobram  dos bispos da CNBB uma posição clara de condenação da ditadura Michel Temer e seus colaboradores. Líderes da Articulação Nordeste de Pastorais sociais, CEBs  e organismos enviaram carta aos bispos em assembleia. Entre outras afirmam que “O ano do laicato, os 50 anos da Conferência episcopal de Medellim, a canonização de Dom Oscar Romero, assim como a palavra e  testemunho do Papa Francisco nos ajudem a descobrir juntos os caminhos, vivenciando uma pastoral de conjunto, missionária, profética e pascal. O amor pelos pobres está no centro do Evangelho”.

Acontece que os 200 bispos estão divididos na CNBB. Uma parte deles é conservadora, uns até reacionários. Acham que a política não faz parte da evangelização. Outra parte dos bispos é mais comprometida com a libertação dos pobres e por isso se inquieta com os absurdos da ditadura Temer. Mas a maior parte dos bispos brasileiros é acomodada, nem quente, nem fria. Esse é o problema maior da CNBB, há unidade no louvo e não há unidade no profetismo esperado.

Até o final desta assembleia, dia 22.04 se saberá se a decisão dos bispos católicos será quente, ou fria, em relação a conjuntura  cruel do país. Independente dos bispos, diante desse tempo de trevas, os cristãos fiéis às bem aventuranças propostas por Jesus de Nazaré, não poderão ser frios ou mornos.

Quem luta pelo direito à vida morre sem dó

Postado em

Entrevista para Rádio RioMar de Manaus – 16.04.2018

Aumenta o número de assassinatos de líderes de organizações populares na Amazônia.  A Comissão Pastoral da Terra publicou hoje a estatística macabra: em 2017 houve 70 assassinatos de lideres populares no Brasil por motivos de conflitos entre o capital e os direitos dos pobres.

A ditadura Michel Temer e seus aliados deixa livre o campo para perseguição a quem se discorda e resiste à imposição dos interesses do agronegócio, mineradoras. No Estado do Amazonas já antes deste ano. Maria das Dores Priante, líder da comunidade Portelinha foi sequestrada, torturada e assassinada.

No Estado do Pará no final no dia 22 de dezembro do ano passado foi assassinado Fernando Pereira, liderança da associação dos caboclos, indígenas e quilombolas de Barcarena; no último dia  12 de março foi assassinado Paulo Sérgio Almeida também líder da associação. Ambos denunciavam os crimes  ambientais da mineradora Hidro Alunorte e conflitos fundiários na região. Até agora nenhuma pessoa foi presa por aqueles crimes. Já anteontem, sábado foi assassinado no município de ACARÁ, no Pará, Nizaldo dos Santos Brito, ex presidente da associação de moradores e agricultores remanescentes quilombolas do Alto Acará. Em defesa de seus companheiros denunciava crimes ambientais pela empresa Biopalma da Amazônia, subsidiária da VALE.

Para completar essa triste situação de nossa Amazônia, padre Amaro continua no presídio em Altamira. Equipes de advogados apresentaram defesa do padre, mostrando que as acusações eram montadas pela polícia se baseando apenas em orientações de fazendeiros e grileiros da região onde o padre Amaro é pároco, membro da comissão pastoral da terra. Mesmo com vários argumentos jurídicos mas dois juízes negaram a libertação do padre do presídio. Entidades de direitos humanos nacionais e internacionais já se manifestaram pela libertação do padre Amaro, porém a justiça de Altamira continua obstinada em se basear em argumentos falsos.

quem defende a vida coletiva é assassinado sem dó

Postado em

Entrevista para Rádio RioMar de Manaus – 16.04.2018

Aumenta o número de assassinatos de líderes de organizações populares na Amazônia.  A Comissão Pastoral da Terra publicou hoje a estatística macabra: em 2017 houve 70 assassinatos de lideres populares no Brasil por motivos de conflitos entre o capital e os direitos dos pobres.

A ditadura Michel Temer e seus aliados deixa livre o campo para perseguição a quem se discorda e resiste à imposição dos interesses do agronegócio, mineradoras. No Estado do Amazonas já antes deste ano. Maria das Dores Priante, líder da comunidade Portelinha foi sequestrada, torturada e assassinada.

No Estado do Pará no final no dia 22 de dezembro do ano passado foi assassinado Fernando Pereira, liderança da associação dos caboclos, indígenas e quilombolas de Barcarena; no último dia  12 de março foi assassinado Paulo Sérgio Almeida também líder da associação. Ambos denunciavam os crimes  ambientais da mineradora Hidro Alunorte e conflitos fundiários na região. Até agora nenhuma pessoa foi presa por aqueles crimes. Já anteontem, sábado foi assassinado no município de ACARÁ, no Pará, Nizaldo dos Santos Brito, ex presidente da associação de moradores e agricultores remanescentes quilombolas do Alto Acará. Em defesa de seus companheiros denunciava crimes ambientais pela empresa Biopalma da Amazônia, subsidiária da VALE.

Para completar essa triste situação de nossa Amazônia, padre Amaro continua no presídio em Altamira. Equipes de advogados apresentaram defesa do padre, mostrando que as acusações eram montadas pela polícia se baseando apenas em orientações de fazendeiros e grileiros da região onde o padre Amaro é pároco, membro da comissão pastoral da terra. Mesmo com vários argumentos jurídicos mas dois juízes negaram a libertação do padre do presídio. Entidades de direitos humanos nacionais e internacionais já se manifestaram pela libertação do padre Amaro, porém a justiça de Altamira continua obstinada em se basear em argumentos falsos.

Brasil sem educação fica sem futuro. Assim quer a ditadura atual

Postado em

Editorial – RNA  – 12.04.2019

O nível de educação de um povo revela a capacidade criativa que pode desenvolver sua juventude. O nível de educação também mede o grau de desenvolvimento humano de um povo, o IDH.

Assim sendo, o Brasil está descendo ladeira a abaixo no índice IDH, devido o rebaixamento do compromisso do governo federal. Imagine como ficam e como ficarão a infância e a juventude dos nove estados da Amazônia na questão de educação. Se já é precário os ensinos fundamental e médio, essa tal reforma do governo, os levarão ao cúmulo do desrespeito a essas categorias de vida, que não pediram para nascer mas tem direitos absolutos em serem educadas.

A ditadura fantoche de Michel Temer acaba de reduzir o compromisso estatal com a   educação no país. O Ministério da Educação, depois de admitir que a educação é fundamental para o desenvolvimento intelectual e moral das novas gerações, deforma a Leis de Diretrizes de Base e retira várias matérias importantes. Sai do currículo fundamental e médio matérias como sociologia, artes, música, filosofia e cultura afro-brasileira.

Além disso, e tão grave quanto, a ditadura Michel Temer não mais assume responsabilidade com ensino gratuito no fundamental e médio. Corta financiamento de creches e apenas os filhos de juízes e magistrados terão garantia de financiamento gratuito para estudos até os 24 anos de idade.

Conclusão desse desprezo do governo pela educação, pobre não mais poderá chegar a um curso superior, por não ter dinheiro para pagar escola de ensino médio. A desigualdade social vai aumentar muito mais do que já hoje quando 60 milhões de brasileiros dependem da miséria do bolsa família. Como ficarão as crianças e adolescentes de Parintins, Cruzeiro do Sul, Monte Alegre e centenas de cidades amazônicas? E será que cidadãos da região irão continuar a eleger deputados e senadores em outubro, eles que aprovaram a deformação das leis de diretrizes de base? Eis a questão.

DENTRO DA NOITE SINAIS DE AMANHECER

Postado em

Análise da semana  – Nossa Voz é Nossa Vida  – 08.04.2018

Não se pode esconder o sol com a peneira, nem enterrar a cabeça na areia como a avestruz. Nosso Brasil vive hoje uma ditadura tão terrível quanto a de 1064-85. A ditadura de hoje veste uma máscara de democracia, mas está controlada por um grupo de bandidos nos três poderes da república, judiciário, parlamentar e  executivo. Por trás desses existe um grupo munido de tanques e metralhadoras e que de vez em quando se ente no direito de mandar nos outros bandos. É o que está acontecendo nestes dias. Assim, mudam as leis prejudicando trabalhadores e a educação, violam a constituição para atender seus interesses. Para iludir as populações esses grupos utilizam os canais de televisão nacional Rede Globo, Bandeirante e suas colegas, que transmitem meias notícias e falsas informações.  Deixam a falsa informação de que o país vai melhorando, que aumenta o numero de trabalhadores de carteira assinada, e isso e aquilo.

O que está acontecendo nestes dias ilustra muito bem a ditadura implantada no Brasil. O Supremo Tribunal Federal que de supremo não tem nada mais. Afinal, a um grito de dois generais ameaçando tomar conta do país os ministros se ajoelharam e mandaram o ex presidente Lula da Silva para o presídio. Não há provas de crimes, mas há receio de que ele volte a ser presidente do país e novamente distribua a renda nacional com os pobres. Se ele cometeu corrupção ou não se tem provas, mas os juízes obedeceram ordens superiores e o tornaram sem direito a ser candidato e ser eleito. Sabem eles que Lula da Silva tem 75 % de aprovação popular e hoje é candidato ao prêmio Nobel da Paz internacional. Os meios de comunica da Europa, Canadá e Estados Unidos da América ridicularizam nosso país, que já foi o sétimo país mais rico do mundo.

Porém, observando aqui mais perto de nós, há sinais  de esperança no ar. Apresento dois entre outros, nessa conjuntura de trevas. O primeiro aconteceu na quinta feira passada. Foi mais uma batalha firme do Movimento de Trabalhadores em luta por moradia, o MTLM. Estiveram  na Câmara de Vereadores de Santarém cerca de 500 pais e mães de família, pressionando os vereadores a assumirem sua responsabilidade de defensores do povo. A questão  é a urgência de o poder público regularizar a ocupação, do bairro Bela Vista do Juá. Há quatro anos está acontecendo a ocupação hoje com mais de dois mil ocupantes, maioria já morando lá. O prefeito tem em mãos uma lei federal que lhe dá poder de regularizar áreas de ocupação irregular para garantir moradia própria. Como o gestor está fugindo de sua responsabilidade, a associação do bairro cobrou dos vereadores assumirem seu papel de fiscalizadores do executivo para o bem da população. O plenário da Câmara ficou lotado, mais o pátio do prédio e a praça em frente. Os ansiosos moradores aplaudiam  os depoimentos positivos e vaiavam alguns negativos. Ao final da sessão ficou combinado que dia 12, próxima quinta feira haverá outra reunião com presença de prefeitura, governo do Estado, Vereadores e movimento popular MTLM. Disseram alguns que naquela reunião será definida a questão da regularização n do bairro Bela Vista do Juá.

Um outro sinal de esperança aconteceu nos dias 3 e 4 da semana passada em Santarém. Foi um encontro sobre possibilidade de se implantar sistemas de energia solar em residências da cidade e das margens do Tapajós. Dois representantes do Forum nacional de energia alternativa, estiveram reunidos com militantes do Movimento Tapajós Vivo estudando a possibilidade de implantação de um projeto de instalação de energia solar  aqui na região do Tapajós. Ao final de um dia e meio de explicações ficou combinado que o Movimento Tapajós Vivo irá convidar várias organizações populares da região para ver a possibilidade de instalação d energia solar em comunidades urbanas e rurais. Em breve, o projeto estará em ação e novas esperanças especialmente para comunidades que ainda hoje não tem o privilégio de ter luz elétrica grátis e renovável do irmão sol em suas casas.  Tudo é possível quando há vontade e organização em busca do bem comum.