Mês: agosto 2018

Quem não sabe é como quem não vê

Postado em

Análise da semana  – Nossa Voz é Nossa Vida  – 19.08.2018

Um antigo ditado que continua bem atual  diz: Quem não sabe é como quem não vê. Por que continua atual? Trata-se da conjuntura político econômica do Brasil e da Amazônia em especial. Pouco ou quase nada chega ao conhecimento da maioria da população. Os canais de televisão e as emissoras de rádio, informam pouco e até dão falsas notícias a boa parte da população.

Desde sexta feira até hoje, há um grupo de 480 militantes cristãos reunidos numa assembleia de Comunidades eclesiais de base da diocese de Santarém. No primeiro momento foi apresentada uma análise de conjuntura em quatro partes, Econômica, política, social e eclesial. A ideia dos coordenadores da assembleia, foi provocar a sensibilidade dos e das militantes para a realidade nacional e regional, para ver como enfrentar os desafios de se construir uma sociedade justa e solidária, a partir da grave situação que vive a maioria dos brasileiros, como aqui no Oeste do Pará, onde estão seis municípios da diocese de Santarém. Como cristãos, precisam se perguntar o que se faça na atual conjuntura, para que o reino de Deus possa crescer neste país rico, mas tão mal administrado e corrompido por políticos irresponsáveis.

Um dos enfoques das análises foi a grave situação da maioria da população do Brasil. Esse sofrimento é provocado pela ditadura  Michel Temer e seus acompanhantes, deputados, senadores, juízes e ministros. Diante dessa desordem político econômica o que se pode fazer para mudar a bem da maioria dos brasileiros?

Além de buscar conhecimento para entender o que está errado e como corrigir, os 145 milhões de eleitores nacionais, entre os quais os 480 militantes das CEBs da diocese de Santarém, tem uma oportunidade importante nas próximas eleições de outubro. Um dos analistas explicou  como mudar a conjuntura sofrida dos povos, iniciando já nas eleições nacionais de outubro. Para tanto, é necessário que os cinco votos de cada eleitor/a sejam depositados conscientes e comprometidos nas urnas. O grande desafio será saber em quem votar.  O descrédito dos políticos está geral, grande parte deles vendeu seus votos para apoiar o ilegítimo presidente Temer a mudar as leis e prejudicar os trabalhadores e os pobres. 49 dos cinquenta deputados federais novamente candidatos, estão acusados de crimes na justiça. Também senadores e governadores são suspeitos de crimes administrativos. Então, entre os fichas sujas estão 14 dos 17 deputados federais e dois senadores do Pará. Todos esses fichas sujas devem ser riscados de nossas listas de votos. Os candidatos, tanto os veteranos, como os novos, que apoiaram, ou se calaram diante de projetos criminosos como hidroelétricas de Belo Monte e do Tapajós; todos os partidos, também aqui de nossa região, que apoiam ou se calaram diante de projetos de portos da EMBRAPS no Maicá e Porto Novo em Belterra, devem ser riscados de nossos votos. Também para ajudar fazer essa mudança, não podemos votar em branco, nem voto nulo, nem deixar de votar, pois se assim fizermos, estaremos dando chance de os bandidos serem eleitos por falta de nossos votos. Então, quem merece nossos votos? Os fichas limpas, os que são novos políticos, mas que são comprometidos com as lutas de nossas comunidades rurais e urbanas. Se nós seguirmos orientações como essas,  ajudaremos a eleger gente honesta, comprometida com nossos direitos e que fazem da política uma missão e não um emprego bem remunerado. Agora fique atento, dentro de alguns dias eles e elas estarão no rádio e na televisão, tentando convencer – nos a votar neles. Não se iluda com as promessas, tente identificar o passado deles e assim separar o joio do trigo. Mas não basta votar e cruzar os braços. A mudança vai depender também de organização, participação em grupos e movimentos populares, associações de moradores, sindicatos. Vai depender de os cristãos de todas as igrejas seguirem os mandamentos de Jesus em busca de justiça e solidariedade. O futuro de nosso país depende também de todos nós, concorda?

Deus ajuda a quem madruga, como?

Postado em

Análise da semana  – Nossa Voz é Nossa Vida  – 25.08.2018

Tenho ouvido algumas afirmações que podem ser traduzidas hoje diante a realidade que vivemos no Brasil e aqui no Oeste do Pará. Um diz, Se Deus é por nós, quem será contra nós? Outra afirma – Deus ajuda a quem madruga. E uma terceira diz – Fé sem obras é morta. Como interpretar essas afirmações? Vivemos uma conjuntura nacional e aqui entre nós, muito dura e sofrida, até parece sem saída boa para os pobres. São 13 milhões de trabalhadores desempregados, seis de cada dez crianças e adolescentes estão vivendo quase na miséria; o SUS não atende mais os pacientes como antes e assim por diante. Como mudar essa situação que 15 anos atrás era bem melhor?

É verdade que Deus sempre está conosco, mas ele não resolverá nossos graves problemas de cima para baixo. Nós somos os braços e a força de Deus. Ele nos deu inteligência, fé, vontade e capacidade de sermos solidários com os outros. Portanto a grave conjuntura que estamos vivendo, somos nós que com a força de Deus, temos de enfrentar e mudar. Isso deve ser assunto para ser pensado e agido no grupo de encontro e de oração, no movimento popular, nas celebrações nas igrejas. Deus ajuda a quem madruga.

Outro momento bem oportuno para avançarmos a mudança  será no dia 7 de outubro, dia das eleições. O Papa Francisco outro dia, afirmou que participar da política é um dever moral de todo cristão. Uma forma de fazer isso é escolher bem seis candidatos  no dia das eleições. Certamente você diz, mas como encontrar seis candidatos dignos de nossos votos? Realmente não está fácil, mas isso não justifica ficarmos de braços cruzados, sem procurar saber. É verdade que há muito joio e pouco trigo, mas há sim algum trigo que precisamos achar.

O que um cristão não pode fazer, é votar nulo, votar em branco ou deixar de votar, pois assim estaremos dando vez aos oportunistas e o ficha suja serem reeleitos, compreende? Quem é ficha limpa, quem tem vida comprometida com nossos direitos, com a defesa do Tapajós, do amazonas e das áreas de proteção ambiental de Alter do Chão, do Aramanaí, esses podem ser ficha limpa. E quem não pode ter nossos votos? Todo candidato que apoiou e apoia a ditadura de Michel Temer, quem apoia construção de portos graneleiros da EMBRAPS e de Porto Novo em Belterra, quem já ocupou cargo de vereador, deputado ou governador e pouco ou nada fez pela melhoria de vida dos pobres, todos esses não podem mais receber nossos votos.

Portanto, não espere que Deus venha soprar em seu ouvido em quem votar. Ele ilumina você e eu para procurarmos investigar e saber escolher os que poderão ajudar a mudar esta triste situação que vive a maioria dos brasileiros. Pode acontecer que um candidato “não é carne nem é peixe”, como diz o ditado, até parece bonzinho, mas se ele pertence ao um partido que apoia Michel Temer e se calou até agora diante da triste situação de desemprego, falta de assistência do SUS, e nada reagiu com esses projetos de portos e hidroelétricas em Belo Monte e Tapajós, não se fie nele, fora com ele.

É isso que a Bíblia quer dizer que a fé sem obras é morta. Então, mãos à obra, ainda faltam 43 dias até o dia das eleições, procure achar as agulhas no meio das palhas secas. E Deus nos ilumine.

Os filhos das trevas….

Postado em

Análise da semana  – Nossa Voz é nossa Vida  – 05.08.2018

Diante das malandragens dos doutores da lei, Herodes e Pilatos, como também diante de certa ingenuidade do povo simples que acorria a Jesus, o Mestre certo dia os alertou, dizendo,  “os filhos das trevas são mais espertos do que os filhos da luz. Tenham muito cuidado para não serem enganados”. O povo simples logo sacou, lembrando como era explorado pelos doutores da lei, por Herodes e Pilatos, que viviam numa boa na capital. Então o mestre  completou: “portando sejam espertos como a serpente mas sejam simples como as pombas”.

Esse episódio da vida de Jesus chega hoje atualizado. Basta a gente prestar atenção como os noticiários dos canais de televisão  iludem a maioria da população. Outro dia pude observar como o Jornal Nacional gastou 15 minutos só com notícias sobre assaltos, assassinatos, mortes, incêndios e acidentes nas rodovias. Aí veio uma pausa para as propagandas comerciais e entrou outro bloco sobre notícias de esporte, mais dez minutos. Se a gente procura outro canal, ou são semelhantes notícias superficiais. Por que será, tanto em rádio como em televisão, as fontes de informação, que não ajudam a formação de consciência avaliativa do povo? Será de propósito, ou falta de fatos mais importantes?

Na semana que passou, li um artigo de uma revista séria e bem informada, onde um jornalista dá uma interpretação para essa realidade de comunicação da seguinte forma: – Os sentimentos comandam. Explorando o medo e descontentamento, as elites do Brasil criam um noticiário cujo centro da discussão é a violência, a corrupção e o crime. Esse tipo de noticiário tem dois significados. Um, ele dá impressão que todos estão ameaçados e o medo se espalha. Outro significado, é desviar a atenção de todos nós. Assim, não se fala das desigualdades sociais, não se fala  em reduzir os juros dos empréstimos bancários. O autor vai adiante tentando explicar  o  por que praticamente todos os canais nacionais de televisão e rádio fazem este tipo de noticiário desviante das atenções. Agora diga você, qual o canal de televisão em que você acompanha as notícias? Ele explica a injustiça de um vereador ganhar 10 mil reais de salário mensal, por três sessões na Câmara por semana e uma professora municipal ganhar no máximo 3 mil reais  trabalhando todo dia na sala de aula? O canal que você acompanha explica a injustiça de um deputado ganhar 34 mi reais de salários além de outras vantagens, enquanto um professor universitário receber 12 a 15 mil reais para educar jovens? e qual deles fala da injustiça de um salário mínimo de 930 reais par um que trabalha o dia todo?

Você entende agora por que uma enxurrada  de candidatos estão aparecendo já atrás  nossos votos para serem eleitos a cargos de deputado, senador e presidente? Uns chegam com sopa solidária, outros arranjando dinheiro para asfaltar ruas e fazer orla de cidade, outros  chegam até a dizer que são contra o ilegítimo Michel Temer, mesmo que meses atrás estavam apoiando.  Que podemos fazer? É hora de lembrar o alerta de Jesus – Sejam espertos como as serpentes.. Como?

Excluindo de sua lista de votos todos os ficha suja, os que são acusados na justiça, os que nunca foram contra as hidroelétricas de Belo Monte e do Tapajós, os que apoiam o uso de agrotóxicos na agricultura. Aqui mais de perto, risque de sua lista, os que apoiaram até agora o projeto de portos da EMBRAPS na boca do Maicá, os que  estão indiferentes ao projeto inacabado há mais de oito anos o tão necessário Hospital materno infantil em Santarém. E assim, você saberá em quem NÃO votar em outubro.

Aí poderá identificar quem merece seu voto, os ficha limpa, os que sempre estiveram ao lado dos direitos dos trabalhadores e dos pobres, os que defendem verbas para o SUS e a Universidade. Não esqueça do alerta de Jesus – os filhos das trevas são mais espertos do que os filhos da luz.