Mês: dezembro 2018

Como desejar feliz ano novo hoje?

Postado em

Notícia para Rádio Riomar  – 31.12.2018

Boa tarde, Gecilene, e ouvinte deste momento da grande Rádio Riomar de Manaus, No calendário social de cá, termina um ano e vai começar daqui a pouco o novo. No calendário chinês e de outros povos, hoje nem é fim de ano, nem início de outro. Já o tempo em si, não tem tempo, nós é que falamos de tempo, falamos de hoje, de amanhã. Nós é que temos tempo, de nascer, de crescer, de amar e de sofrer; de construir amizades, família e desconstruir família, muitas vezes fazemos isso e aquilo sem medir consequências. Depois, quando passa um tempo a gente chora o caldo derramado e outros nem choram, só vão adiante levados pelo tempo, até que seu tempo acaba e vão morar de olhos fechados embaixo de sete palmos de terra. Pois bem, com tempo, ou sem tempo, nosso costume é imaginar que termina um ano e vai começar novo ano. Por isso, costumamos dizer- feliz ano novo! Mas do jeito que andam as coisas, será que o novo ano nos fará felizes? Será feliz para quem?

Se o novo presidente, já afirma, antes mesmo de sentar na cadeira, que vai mudar a constituição nacional, por achar um absurdo trabalhador ter o décimo terceiro salário, se acha absurdo povos indígenas viverem em suas aldeias sossegados, se ele antes de tomar posse já expulsou 8.500 médicos cubanos que prestavam solidário serviço aos enfermos de Manaus, São Paulo de Olivença, do Amazonas e de todo o Brasil, como poderá ser feliz o novo ano para 12 milhões de desempregados pelo país todo? Se altos salários fazem alguém feliz, certamente que os ministros do supremo tribunal federal, que tiveram um aumento salarial de 34 para 39 mil reais mensal, além de outras mordomias e não só eles, mas em efeito dominó, devem estar rindo com o novo ano todos os juízes e promotores federais e estaduais, na esteira dos supremos iluminados.

Mas afinal, com tudo isso e mais, você ouvinte ainda pode desejar feliz ano novo a seus e suas amigas? Como podemos nós aqui na Amazônia, construir felicidade nesse panorama nacional? Não posso desesperar e  creio que podemos começar a buscar um caminho. Você como eu, certamente pertence a algum grupo, seja de associação, seja de sindicato, de escola, de igreja. Então aí podemos começar a construir felicidade, não apenas rezando, ou indignando, mas refletindo juntos de como já em nossa vizinhança, em nosso grupo, aprendermos a não baixar a cabeça, a construir solidariedade entre nós, em nos juntar a outros grupos que querem justiça para todos e passar a pressionar os que podem salvar os outros e só estão cuidando de si. Sinto que o caminho é esse. Pense sobre isso e não desanime. Posso lhe desejar Feliz ano novo, ouvinte!

Anúncios

DO LADO DE LÁ SÓ QUEM SOBE, DO LADO DE CÁ SÓ QUEM DESCE…

Postado em

Análise da Semana  –  Nossa Voz é Nossa Vida  – 30.12.2018

Sai ano e entra novo ano e nossa sociedade continua mais desigual. Como diz a cantiga – Do lado de lá só quem sobe, do lado de cá só quem desce, do lado de lá só quem goza e do lado de cá quem padece…Até quando a sociedade vai continuar assim? Desde quando Pedro Alvares Cabral  invadiu a terra Pindorama. Neste final de ano, cerca de 60 milhões de brasileiros vivem em estado de miséria, dependendo do Bolsa Família. Nesta última semana perguntei a uma pessoa sobre o que mais chamou sua atenção de ruim nos últimos 12 meses. Ele respondeu que a falta de compromisso do prefeito com suas promessas de campanha, que era administrar o município vindo da periferia para o centro. Passados dois anos ele nada fez pelas periferias, nem rurais, nem urbanas. Pelo contrário, teve duas mais graves omissões. Cometeu o crime de terceirizar a administração da UPA e do hospital municipal, que em nada melhorou o atendimento aos doentes. A outra, foi fazer o jogo dos empresários e rir dos cidadãos que ele convocou para atualizar o Plano Diretor do município. Numa atitude de vassalo se juntou aos outros vassalos da Câmara de Vereadores  e mudou artigos do novo Plano Diretor, para atender aos interesses de empresários. Não se sabe a toco de que eles fizerem ato grosseiro, de graves consequências sociais, econômicas e ambientais. Indagado sobre tal atitude, um vereador de primeiro mandato que se juntou aos colegas para cometer essa traição a seus eleitores, ele respondeu, mas que traição cometi? Será que pode haver hoje em dia um vereador inocente? Que acha? Este é um resumo de injustiças do ano que termina.

Mas houve também momentos e avanços de cidadania em nossa região. Em Belterra tem havido um esforço de lideranças comunitárias de construir uma federação de comunidades da Área de Proteção Ambiental Aramanaí. Essa ferramenta é para enfrentar a obstinação do prefeito de lá em violentar a APA Aramanaí para entregar a empresários construírem portos graneleiros em Porto Novo. A Federação além disso, garantirá formas de as comunidades ribeirinhas protegerem seu território. São belas praias de Pindobal, Cajutuba, Aramanaí, Irussanga chamativas de turismo e bem viver. Caso entrem portos graneleiros serão áreas privadas como em Santarém é a área da CARGILL. Daí a importância do esforço de lideranças das comunidades. Outro fato positivo do ano, é o esforço continuado  de um grupo de pessoas nos bairros Nova República e Santo André. Realizam uma luta para a prefeitura urbanizar a APA Saúbal. Ali resta uma pequena floresta que ameniza o calor da cidade e é adequada para lazer e turismo. Infelizmente a prefeitura, ainda não se interessou de  proteger e criar espaço para uso sadio da população. Há poucos dias foi realizado o segundo fórum da APA Saúbal, com presença de estudantes e membros da comunidade. Convidada, a secretaria de meio ambiente do município, não compareceu.   No planalto santareno, os indígenas tiveram um dia bem positivo num diálogo com uma  comissão de direitos humanos da Organização dos estados Americanos, mostrando os conflitos gerados pela disputa de território com fazendeiros e sojeiros. Um antropólogo picareta tentou perturbar o diálogo, mas foi expulso pelos presentes. Na cidade, a Pastoral social marcou importante presença na resistência à violência de empresários que insistem em prejudicar milhares de moradores. No Lago Grande do Curuai, cresce a consciência de muitos moradores sobre a importância de impedir a invasão da multinacional ALCOA que pretende explora bauxita na área com grave prejuízo aos moradores. Esse trabalho de despertar da consciência tem acontecido com orientação da Federação da Gleba Lago Grande, FEAGLE.

Esses são algumas das conquistas de cidadania do ano que termina amanhã. Já o que se pode esperar do novo ano que chega? Do lado dos governantes o panorama se revela preocupante e grave. Do lado dos movimentos populares, ë preciso alimentar as esperanças e arregaçar as mangas, pois o caminho se faz caminhando firme.

João Batista ou Herodes? ser ou não ser

Postado em

Análise da semana  – Nossa Voz é Nossa vida – 16.12.2018

Mais uma semana passou e nos aproximamos do aniversário de Jesus, o Galileu. Será que estamos preparando um belo presente digo do aniversariante?  O profeta João, no evangelho lido hoje nas celebrações cristãs, explica o significado de conversão, que é mudança de vida e de comportamento. João condena Herodes por vários crimes, que prejudicavam o povo. Conversão não combinava com Herodes. Olhando hoje nossa realidade pessoal, local, amazônica e nacional, quem são os pecadores arrependidos e quem são os Herodes? Tem como você identifica-los?

Aqui na região tem havido sinais de pessoas e grupos que tem buscado mudar de vida, de maus hábitos e de comodismo. Lá no bairro Santo André, aconteceu o segundo fórum em defesa da Área de proteção ambiental da serra do Saúbal. Bonita presença de jovens estudantes escutando reflexões e testemunhos sobre o esforço de grupos comprometidos com salvar um bosque importante para a defesa do nosso clima,  para turismo e lazer da comunidade santarena. Eis um tipo de presente digno do aniversariante do dia 25 de dezembro.

Por outro lado, Herodes esteve presente em nossa realidade. Os 21 vereadores foram os Herodes da semana, sabe por quê?

Veja só. No ano passado, a  prefeitura municipal promoveu ampla discussão para atualização do Plano Diretor do Município. Ao final de vários debates rurais e urbanos, aconteceu uma grande assembleia popular com mais de 400 participantes para concluir a aprovação do novo Plano. Foi aprovado, após ampla discussão, inclusive com participação de dois vereadores. Estranhamente, os outros 19 vereadores não participaram das discussões do plano diretor novo.

Ficaram excluídas duas propostas defendidas pelos empresários. Uma seria a construção de portos graneleiros na boca do lago do Maicá, que é uma Área de Proteção Ambiental; a outra proposta vetada era a permissão para construção de prédios de dez e mais andares nas praias de Santarém, Alter do Chão, Ponta de Pedras e outras. Tudo isso incuindo  a conclusão da assembleia popular foi em novembro de 2017. Por regra legal, o plano aprovado deveria passar pela Câmara de vereadores para conferir se tudo estava de acordo com a Constituição nacional.

O que aconteceu? Simplesmente os vereadores arquivaram o dito plano, mais de um ano. Como no tempo de Jesus, os novos Herodes aplicaram uma verdadeira malandragem irresponsável. Na sexta feira, véspera do recesso parlamentar, de repente eles botaram em votação o plano diretor do município sem avisar a sociedade, mas incluindo justamente as duas propostas de interesse dos empresários de portos na APA Maicá e prédios nas praias. Um verdadeiro crime anti democrático. Uma malandragem de má fé. Ao desprezar as decisões de uma assembleia popular, se julgam donos  do cargo  a serviço de empresários e não à maioria dos seus eleitores. Foram honestos os vereadores? Merecem confiança da população santarena? E agora o fará o prefeito, vai aprovar a malandragem dos vereadores? E o que podemos nós fazer, ficar indiferentes? Indignados mas semana da fazer? O clamor de João Batista por conversão chega às nossas consciências?  Um grupo de indignados está organizando uma resistência.  Entre outras atividades está lançando um abaixo assinado que está correndo em busca de assinaturas exigindo do prefeito respeito à decisão da assembleia popular e recuse sancionar a grosseria dos vereadores. Você pode assinar também alguns indignados e eu temos a lita de assinaturas. Ou você que seguir o exemplo de Pilatos? Ou de Herodes?

Tragédias brasileiras

Postado em

Noticias para Red Panamazónica – 18.12.2018

Más tragedias están sucediendo en Brasil, ademas de um grande incêndio ocorrido em la ciudad de  Manaus, en el ultimo domingo. Una de ellas es el montaje de los ministerios del nuevo gobierno. ¿Qué podemos esperar a partir del primero de enero, con la posesión del nuevo presidente? Al escuchar los nombres de ministros que están contra la Amazonia, contra los pueblos indígenas y contra los trabajadores? Si el año pasado se destruyeron 7 mil y 900 kilómetros cuadrados de bosques en la Amazonia, cuántos serán destruidos en los próximos años?

Un ejemplo de lo que está por venir pronto. El presidente Bolsonaro anuncia que luego, luego va a revisar la ley que garantizó para los pueblos indígenas el  territorio Raposa Serra do Sol, en el Estado de Roraima. Para el nuevo gobierno más importante que las vidas de los indígenas, son los  minérios que estan em el subsolo del território. Bolsonaro  ignora que el território  Raposa Serra do Sol, que ya era consagrada por la Constitución de 1988, fue confirmada por el Supremo Tribunal Federal em el anho de 2009. El próximo gobierno brasileño cree que puede violar la constitución, para satisfacer a empresarios y el capital internacional. Así como anuncia disminuir las tierras indígenas, también anuncia entregar a los extranjeros a Petrobrás, la producción de energía eléctrica y otras empresas estatales.

Para el coordinador del Consejo Indigenista Misionero, CIMI, es un absurdo que el presidente diga que indígena en su tierra demarcada no está integrado a la sociedad nacional. Es erróneo pues indígena es brasileño en cualquier lugar que viva, sea en la aldea, sea en Manaus, sea hasta en Brasilia.

OBS. cada semana envio uma notícia comentada que faço para uma rede de emissoras da pan amazônia, ligadas à ALER associação latinoamericana de educação radiofóonica, com sede em Quito Equador.

Gestores municipais ditadores mirim

Postado em

Análise Da semana – Nossa Voz é Nossa Vida  – 23.12.2018

Depois de amanhã será o aniversário mais importante, do homem que revelou o único caminho para alguém ser feliz. Nem todos os que tentam segui-lo conseguem compreender este caminho. Muitos não conseguem compreender como ele aceitou morrer de uma morte violenta, quando podia ter escapado dos algozes. Morreu daquele jeito porque amava a tal ponto e por isso voltou à vida três dias depois. Hoje 2018 anos depois, esse caminho ainda é seguido por poucos. Outros preferem seguir atalhos ilusórios  e prejudicam vidas alheias, além das suas.

Em Santarém está acontecendo um desses atalhos infelizes. Trata-se da irresponsabilidade dos vereadores e prefeito municipal. O caminho escolhido por eles não os levará à felicidade e causará muitos danos aos moradores da cidade. Eles preferiram submeter-se aos empresários gananciosos por lucros a qualquer jeito. Não se sabe o que esses senhores ganham em troca dessa submissão. Como explicar a prefeitura  ter convocado em 2017 a sociedade para avaliar e renovar o plano diretor do município? Promoveu reuniões rurais e na cidade, organizou  uma conferência especial, com presença de mais de 700 pessoas, o secretário de planejamento e dois vereadores participaram da aprovação do novo Plano diretor.  Em novembro de 2017 foi concluída a renovação do dito Plano, com dois artigos vetados pela maioria dos presentes. Um proibindo a construção de portos na Área de proteção ambiental na boca do lago do Maicá, e outro, impedindo a construção de prédios de vários andares nas praias de Alter do Chão, Ponta de Pedras e demais  praias.

Feito isto, o novo plano foi enviado à Câmara de Vereadores, conforme a lei, para eles examinarem se tudo estava de acordo com a Constituição nacional. Então surgiu a irresponsabilidade dos vereadores. Engavetaram o plano por um ano, até que na semana passada, véspera das férias deles,  sem convidar a sociedade para apreciar, os 21 vereadores modificaram justamente os dois artigos do interesse dos empresários. Foi um ato de má fé, desrespeitar decisão de uma conferência democrática da sociedade civil. Os vereadores se julgam acima da sociedade que os elegeu para servirem ao conjunto e não para serem serviçais de empresários. Ao ignorarem as decisões da conferência municipal, prefeito e vereadores  se arvoraram em donos do cargo, em atitude ditatorial. Honestidade passou longe deles.

Alegou o prefeito que os portos na APA Maicá irão gerar desenvolvimento, emprego e renda.  Ingenuidade, ou desejo de iludir a população? Será que ele ignora quantos empregos e rendas a CARGILL gerou em 15 anos de operação de seu porto graneleiro dentro da cidade? Exportando cerca de 2 milhões de toneladas de soja por ano, pelo referido porto, tem hoje menos de mil empregos diretos. Quanto a empresa deixa de impostos no município? Ele não publica, porém deve ser apenas algum ISS esporádico.  Em troca, a multinacional se apossou de todo o bosque da Vera Paz, destruiu um sítio arqueológico e tomou parte do rio tapajós. Será isso desenvolvimento de que fala o prefeito? O projeto EMBRAPS na boca do lago Maicá será uma repetição da invasão da cidade, sem que a cidade e seu povo ganhem desenvolvimento.

Diante dessa cruel realidade, espanta a passividade da maioria dos moradores de Santarém. Os empresários oportunistas se envolvem, os políticos se submetem, alguns  grupos de cidadãos se inquietam com a agressão à cidade e a maioria dos moradores fica tranquila como se nada grave estivesse acontecendo. Alguns líderes de bairros que poderão ser atingidos por esses projetos empresariais, ainda aplaudem a propaganda dos interesseiros da EMBRAPS. Triste sociedade que se curva humilhante diante dos avanços do capital e dos políticos irresponsáveis.

 

 

Que é Amazônia para novo governo

Postado em

Notícia refletida para Rádio Rio Mar  – 10.12.2018

Atento ouvinte da Rádio Rio Mar, que expectativa você está tendo para o novo ano que se aproxima? Está acompanhando como o novo governo está preparando a administração do país? A partir de janeiro? Hoje o presidente eleito é registrado, portanto oficialmente confirmado presidente. Hoje, aniversário dos 70 anos da Declaração universal dos Direitos humanos. Isso significa algo para você? Como podemos esperar mais respeito aos direitos humanos dos trabalhadores, das mulheres, dos povos indígenas? Como? Se  a pessoa nomeada pelo novo presidente para assumir a presidência do ministérios dos direitos humanos é uma pastoral fundamentalista que declara que a salvação do Brasil não virá pela política, mas pela religião? Se ela crê assim porque aceita ser ministra dos direitos humanos?

Como podemos esperar respeito aos direitos humanos e direitos das florestas da Amazônia, quando o ministro do meio ambiente foi nomeado um líder do agronegócio, Ricardo Salles. Este novo ministro  é réu por improbidade em fraude ambiental. Márcio Astrini do Green Peace diz o seguinte: “Seguindo as promessas do presidente eleito, a principal função do novo ministro será a promoção de uma verdadeira agenda antiambiental, colocando em prática medidas que resultarão na explosão do desmatamento na Amazônia e na diminuição do combate ao crime ambiental. O que já está ruim, pode piorar”,

Por falar mais uma vez sobre os 70 anos da declaração universal dos direitos humanos, o Papa Francisco fez o seguinte apelo a todos: “ todos os que tem responsabilidades institucionais, coloquem os direitos humanos no centro de todas as políticas, incluindo as de cooperação para o desenvolvimento, mesmo quando isso signifique ir contracorrente”. Problema grave para nós brasileiros, também você de Manaus, é que o novo presidente brasileiro não escuta o Papa por isso escolhe ministros que Não manifestam nenhum compromisso com os povos e a floresta da Amazônia e menos ainda com os direitos humanos. Daí a pergunta que lhe fiz inicialmente – qual sua expectativa de vida para 2019 em Manaus? No estado do Amazonas? E para todos os direitos humanos que completam 70 anos de declaração universal?

Resistência urgente para salvar vidas

Postado em

Análise da semana  –  Nossa Voz é Nossa Vida  – 09.12.2018

Amigo ouvinte, amiga atenta ao que acontece  na vida e carece de entendimento. Partilho com você, alguns fatos que nos levam a buscar explicações para sabermos como agir. Nas igrejas católicas, hoje os fiéis tem uma convocação do profeta João Batista. A mesma é também para os cristãos das outras igrejas. Diz o profeta: “Preparem o caminho para o Senhor, limpem os atalhos para ele passar”. Isto significa, que não podemos ficar de braços cruzados diante das injustiças  e explorações que estão acontecendo ao nosso redor e na Amazônia. Quando o Senhor chegar quer nos encontrar ativos, solidários, no caminho da justiça. Quando a gente fica sabendo o que estão planejando lá em Brasília e o que está pra acontecer em nossa região, por que ficar parado? Imagine que as falas do novo presidente e seus auxiliares são de prejudicar povos indígenas, ribeirinhos, moradores de periferias. Pensam acabar com aposentadoria antes dos noventa anos, pensam em ampliar a destruição de florestas e terras indígenas, para  aumentar a produção de soja, milho e gado. Acabam de anunciar a nomeação de uma mulher reacionária para ministra da família e dos direitos humanos. Vai ela também ser responsável pela Fundação Nacional do Índio, FUNAI. O que esperar dela?

Mas olhando  o que rola aqui na região, descobrimos que há sinais de esperança.  Há grupos lutando por justiça e solidariedade. Na próxima sexta feira acontecerá o segundo Forum em defesa da APA Serra de Saúbal, ali no bairro Santo André. Muitos desconhecem a importância de tal movimento. Serra do Saúbal, antiga área da Embratel, uma preciosa área de floresta, que serve para aliviar o calor da cidade. Há seis anos um grupo de cidadãs/ãos vem lutando para preservar aquela área. Várias caminhadas com estudantes e membros dos bairros Nova República e Santo André, foram realizadas; pressões sobre a Câmara de vereadores e Secretaria municipal de meio ambiente conseguiram legalizar a APA SAUBAL, mas continuam  enfrentando empresários oportunistas que tentam utilizar a área para fins comerciais. Já existe a lei da APA SAUBAL, mas falta urbanizá-la. Daí o Fórum a ser realizado na próxima sexta feira. A resistência popular é que salva o bem comum. Os lutadores populares esperam que as autoridades botem fora da APA os oportunistas, preservem e cultivem a área para o bem da cidade.

Outro sinal de esperança ocorreu no meio da semana. Desta vez dentro da Universidade Federal do Oeste do Pará. O Movimento Pro Índio de São Paulo, e estudantes da UFOPA, promoveram um encontro  sobre os impactos sociais e ambientais causados por 40 anos de exploração de bauxita no rio Trombetas em Oriximiná.  Na mesa redonda estavam testemunhas vivas dos sofrimentos das populações atingidas pela empresa multinacional Mineração Rio do Norte, MRN. Dona Olgaide da comunidade Boa Vista do Trombetas e seu vizinho Amarildo descreveram as angústias, a injustiça do IBAMA e ICMBIO cúmplices das desgraças causadas pela mineradora.

Os dois moradores  pediram socorro aos participantes do encontro. O livro, com o título “Antes a água era cristalina, pura e sadia”, conta as percepções quilombolas e ribeirinhos dos impactos e riscos da mineração em Oriximiná. Vários outros moradores da região explorada pela multinacional MRN testemunharam  as injustiças causadas pela empresa. Ela exporta 18 milhões de toneladas de bauxita por ano e deixa lixo, veneno e miséria aos moradores da região.

O grito dos testemunhos presentes sensibilizou os universitários para o chamado à luta solidária. É urgente a defesa da vida e da mãe natureza, saqueada pela Mineração Rio do Norte. As desgraças causadas  aos moradores do rio Trombetas  estão se repetindo aos moradores do município de  Juruti. Ali a ALCOA, saqueia, destrói e já insiste em invadir  a região do Lago Grande do Curuai. Os moradores  precisam escutar os moradores do Trombetas e Juruti Velho para impedir novas desgraças. Povo que se cala consente e se torna escravo. Quem aceita ser humilhado?