Mês: maio 2019

Tragédias verdadeiras x Boas notícias

Postado em

Notícia para Rio Mar  – 28.05.2019

Alguém, ao saber da tragédia de tantos assassinatos ontem no presídio de Manaus, poderá pensar que aquilo é até bom porque diminui o número de presidiários. Este é um pensamento muito mesquinho e injusto. Mas é mais importante pensarmos que essas repetidas tragédias de assassinatos, são consequências de um país sem rumo, onde os pobres são amontoados como animais em superlotados presídios e apenas alguns poucos políticos e ricos são condenados. Não é humano, menos ainda cristão ficar indiferente às tragédias dos presídios, das barragens de mineradoras, menos ainda, se estamos empregados, ficar indiferentes a 13, 5 milhões de trabalhadores sem emprego. Mas também, hoje é importante compartilhar com você ouvinte da Rádio Riomar, algo bem positivo que aconteceu no Estado do Amazonas.

Lá na cidade de Tefé, há sinais de esperança em andamento. Cidade pólo econômico, cultural do grande rio Solimões, com 62 mil habitantes houve dois momentos de cultivo da arte de comunicar a busca da verdade, inverso das  notícias falsas, como está na moda dizer, fake News. Em dois dias, oito comunicadores da Rádio Educadora de Tefé, aprofundaram a técnica e inspiração da produção de notícias. É preciso hoje mais do que nunca se produzir notícias objetivas e que ajude os e as ouvintes a adquirirem consciência crítica sobre o que acontece ao seu redor e em seu país. A Rádio Educadora é ainda mais importante do que as redes sociais, numa região onde a energia elétrica é precária e a internet insuficiente. Pelos comunicadores da rádio, moradores do município de Itamarati, que fica há seis dias de viagem de barco, podem ficar sabendo de boas notícias e se precaver das falsas notícias veiculadas por outros canais manipuladores. A Rádio Educadora de Tefé, além de gerar notícias locais e regionais, é sócia da Rede de Notícias da Amazônia. Dessa forma ouvintes de 19 outras emissoras da RNA, no Maranhão, Amapá e demais estados da Amazônia ficam sabendo que ali no médio rio Solimões acontecem coisas boas e lutas dos povos tradicionais por dignidade.

No final da semana, na mesma cidade de Tefé aconteceu o simpósio da Pastoral da Comunicação da Prelazia. Foram 25 participantes, vindos da cidade e de comunidades de Alvarães, Airini, Fonte Boa  e vizinhanças. Dois temas foram debatidos e esclarecidos, um, as falsas notícias, Fake News, o que são elas, como provocam ilusões nas pessoas. Assim aconteceu n as recentes eleições nacionais, alimentadas pela falsa informações que levaram milhões de brasileiros a elegerem um presidente incompetente, irresponsável e sem plano de governo. Outro tema debatido foi sobre os critérios da ética na comunicação, tanto no rádio e redes sociais, como na própria vivência da comunidade religiosa. Por falta de uma consciência ética muito estrago se pode fazer numa comunidade. Com este simpósio a Pastoral da Comunicação se entusiasmou que é preciso levar esses temas para outros municípios da Prelazia, para que a verdade liberte tantos que vivem na escuridão da verdade e por isso escravos das falsas notícias.

 

Anúncios

Há sinais de luz na noite escura

Postado em

Análise da semana  Nossa Voz é Nossa Vida  26.05.2019

Aqui estamos em mais um dia para partilhar com você uma análise sobre a semana que passou, acontecimentos que alimentam nossa esperança de que, amanhã há de ser outro dia, como diz a cantiga do premiado cantor Chico Buarque de Holanda. Pra começar, escute esse fato em forma de piada: o presidente brasileiro reclamou dizendo que não conseguia governar o país por causa do sistema. Então um idoso perguntou à sua idosa esposa – de qual sistema ele reclama? Ela respondeu – do sistema de conhecimento dele que é nulo… Vamos então partilhar situações positivas da semana que passou. Primeiro o município de Belterra está de parabéns. Finalmente, a justiça corrigiu  o sistema de falta de sabedoria do prefeito belterrense. A primeira turma de direito público do Tribunal de Justiça do Pará, proibiu o prefeito, Dr. Macedo de continuar a destruir parte da Área de Proteção ambiental, APA Aramanaí. Violando a lei ambiental o prefeito desmembrou dois mil hectares da APA para entregar a construção de portos graneleiros. Esse crime seria para favorecer empresários, prejudicando  as praias, o turismo e as populações da região. Pela sentença da justiça, o prefeito está proibido de emitir qualquer licenciamento da área para outros fins que não sejam para fortalecer a área de proteção ambiental.

Outro sinal de esperança de outro mundo melhor aconteceu  no município de Santarém.  O prefeito municipal foi obrigado  assinar um termo de ajuste de conduta TAC, com o Ministério público Federal, MPF para reassumir a administração do Hospital  Municipal e a UPA. Isto porque a Terceirizada Organização Social, OS Instituto Panamericano de Gestão não tem competência para administrar o hospital. Falta-lhe  quadro de dirigentes profissionais com formação específica para administrar área de saúde. Este foi o argumento do MPF para ajuizar o prefeito municipal. Esta decisão da justiça confirma o que já uns meses atrás denunciavam alguns médicos do hospital municipal. Inexplicavelmente o prefeito municipal insistiu em transferir a administração do hospital e UPA, quando as evidências indicavam que seria um fracasso tal decisão. Finalmente a justiça salva a população de desastre mais grave e o prefeito terá que agir com mais cautela pensando primeiro no bem dos munícipes que o elegeram acreditando que seria um competente gestor publico. Se a prefeitura tem 179 milhões de reais para repassar à empresa contratada, por que não usa esse recurso para contratar apenas um competente gestor, comprar equipamentos e insumos reclamados pelos médicos  há algumas semanas, e a prefeitura mesma gerir a saúde no município? Uma empresa contratada certamente quer gerar lucro para si e vai faltar para melhorar o serviço do hospital. A pergunta que fica depois dessa derrapada do prefeito é, vai aprender com o erro, ou vai repetir a terceirização da gestão?

Outro assunto que merece nossa atenção é a vida nova que estudantes e sindicalistas estão dando ao Brasil e à nossa região. A grande manifestação do último dia 15 e a próxima no próximo dia 30 são indicadores que o gigante adormecido despertou e o presidente incompetente terá que decidir respeitar os milhões de brasileiros prejudicados por suas loucuras e de seus ministros. Espera-se que em todas as cidades, vilas e comunidades de nossa região, haja manifestações em defesa da democracia, na sua comunidade também. Pois quem sabe  faz a hora não espera acontecer.

Como hoje amar do jeito de Jesus?

Postado em

Análise da semana  Nossa Voz é Nossa Vida  – 19.05.2019

Como seguidores de Jesus Cristo, continuamos hoje a caminhada aprendendo amar como ele amou. Não é fácil, vivendo nós numa sociedade individualista e egoísta. No evangelho proclamado em muitas celebrações, Jesus alerta todos nós. Diz ele “nisto conhecerão que vocês são meus seguidores, se amarem uns aos outros, como eu amo vocês”. Como amar todos os outros, inclusive os que nos humilham? Como amar o presidente Bolsonaro, quando ele estimula uso de armas e prega o ódio?  Como amar esse governo que quer acabar com as aposentadorias dos trabalhadores e o direito de jovens estudarem nas universidades públicas? Acontece que amar não significa se humilhar, sofrer calado. Jesus nunca se humilhou diante de Herodes e doutores da lei. Quando foi preciso ele os chamou de cobras venenosas, sepulcros caiados.

Quando na quarta feira passada estudantes, professores e trabalhadores, foram às ruas protestar contra a destruição  das universidades públicas e deformação da previdência social,  estavam seguindo o mandamento de Jesus de amar, buscando a verdade  e denunciando as mentiras do governo. Aliás,  parabéns para os lutadores sociais de Monte Alegre, Mojuí dos Campos, Belterra e outras cidades  do Oeste do Pará, que se uniram aos milhões de manifestantes em todo o Brasil. Santarém teve cerca de 10 mil lutadores sociais nas ruas no protesto nacional.

É assim que provaremos se somos seguidores de Jesus, se amarmos como ele amou. Nesta mesma linha de reflexão, precisamos enfrentar outro assunto bem atual. Você já ouviu falar sobre o Sínodo para a Amazônia? Compreende por que e para que este sínodo foi convocado pelo Papa Francisco? Pois é, este sínodo especial vai ser concluído em outubro próximo, mas já vem sendo construído desde uns meses atrás. Talvez até em sua comunidade já deram uma contribuição. Isso se seu vigário e animadores de comunidade falaram com você e seus irmãos.  Papa Francisco anda muito preocupado com os povos e a mãe natureza da grande Amazônia, que inclui oito países, além do Brasil. Daí que a Igreja precisa se renovar e trabalhar evangelização a partir das necessidades e expectativas de vida dos povos e da natureza da região. Por isso será um sínodo Para e não sobre a Amazônia.

Daí que talvez você já ouviu falarem que até o governo Bolsonaro ficou preocupado e criticou a realização do sínodo. Por quê?  Escute o que falou o cardeal Dom Cláudio Humes, relator do sínodo. Disse ele: “Alguns se sentem ameaçados de alguma forma, porque não se sentem considerados em seus projetos e ideologias. Eu diria que acima de todos os projetos de assentamento na Amazônia que continuam fortemente com o espírito dominante e predatório vem para explorar e, em seguida, sair com os bolsos cheios, deixando a degradação e a pobreza para o povo local, que então estarão mais pobres e com o seu território devastado e contaminado. É muito importante reconhecer essas resistências na Igreja, fora dela, por exemplo, em governos, empresas e outros lugares. Precisamos reconhecer como nos comportarmos diante dessas resistências, sabermos o que fazer. A Igreja na Amazônia sabe que deve ser profética, não acomodada, porque a situação é avassaladora e há uma situação de constante e persistente violação dos direitos humanos e degradação do lar comum. E, o que é pior, esses crimes geralmente ficam impunes”.

 

Então, acompanhar o desenrolar do sínodo deve ser de nosso interesse. V A Igreja na Amazônia sabe que deve ser profética, não acomodada, porque a situação é avassaladora e há uma situação de constante e persistente violação dos direitos humanos e degradação do lar comum. E, o que é pior, esses crimes geralmente ficam impunes.

Vamos amar como Jesus Amou? Ele que nos ajude.

.

 

 

Se é para o bem dos estudantes e trabalhadores estamos na luta

Postado em

Editorial RNA  15.05.2019

“Se é para o bem da nação, diga ao povo que fico”, disse uma vez o então imperador brasileiro rompendo com o reino de Portugal. Hoje também é o dia do FICO novamente. Não pelo bem da nação dos ricos e dos políticos, mas dos trabalhadores, estudantes e os pobres.

O governo Bolsonaro está decidido a fechar as universidades e escolas técnicas. Como está decidido a deformar a previdência mentindo que a atual previdência pode falir o país. Por isso, em defesa de direitos hoje o país viu as ruas cheias de gente manifestando que não dá mais para suportar calado. Inclusive em Santarém, Manaus e muitas cidades da Amazônia milhares de estudantes, sindicalistas e grupos de cidadãos conscientes foram às ruas.

O grito mais repetido foi, Nem um direito a menos. Queremos livros não queremos armas.. Se o governo Bolsonaro e seus ministros ignorantes pensam destruir o país, sabem hoje que não poderão fazer tão grave crime contra os pobres. Já acabaram com as leis trabalhistas e aumentou o desemprego; querem acabar com a previdência social, para acabar com a aposentadoria dos trabalhadores e enriquecer mais os patrões. Agora querem acabar com as universidades públicas cortando recursos.

Eis a razão de multidões terem ido às ruas hoje indignados. Foi o primeiro grande sinal de aviso ao governo. Embora não baste só um dia de protesto. Oxalá que as multidões que foram às ruas em grande parte de capitais e cidades, decidem continuar os protestos com uma greve geral paralisando comércios, bancos, transportes públicos caminhoneiros e funcionários públicos, fabricas e escolas.

Só assim os ministros arrogantes e o presidente imprevisível se deem conta que não podem mais massacrar o povo e ficar servindo aos Bancos, patrões e estrangeiros. Vale hoje o refrão do hino nacional – verás que um filho teu não foge à luta.

Quem é o IDIOTA?

Postado em

Notícia para RED Panamazónica – 16.05.2019

O idiota presidente brasileiro fugiu das manifestações populares contra as humilhações impostas por seu governo. Lá longe no Texas ele chamou  milhões de brasileiros que ontem foram às ruas manifestar contra cortes de recursos financeiros para as universidades pública. Sociedade civil brasileira vive contínua vergonha por causa de um governo idiota.

Finalmente ontem o gigante adormecido deu seu primeiro grito de indignação. Nos 26 estados brasileiros milhões de estudantes, professores, sindicalistas e cidadãos marcharam pelas capitais, cidades  e pequenas vilas. O grito comum foi – Nenhum direito a menos! Queremos livros e não armas!. 250 mil pessoas foram às ruas em São Paulo, 150 mil no rio de Janeiro, 40 mil em Belém e assim por diante.

Este foi o primeiro grande aviso ao criminoso governo idiota de Bolsonaro. Outros gritos mais eficientes estão sendo programados. Os caminhoneiros anunciam greve em poucas semanas, se o governo continuar aumentando preço dos combustíveis; Reitores e estudantes anunciam para junho próximo uma greve geral com as centrais sindicais, caso o governo insista em cortar verbas para educação e se os deputados e senadores insistirem em deformar a lei da previdência social.

A obstinação do governo vergonha nacional, insiste em esvaziar as políticas sociais e entregar o patrimônio nacional ao mercado nacional e estrangeiro, como foi a venda da fábrica de aviões Embraer à Boing Norte Americana, o aluguel da base de  lançamento de foguetes aos Estados Unidos da América do Norte, entre outros crimes. Finalmente a sociedade civil acordou e a expectativa é que um confronto maior haverá em breve  co o idiota presidente Bolsonaro e sua equipe.

Profetismo é outra coisa

Postado em

Notícia para Red Pan Amazónica  – 09.05.2019

Obs. cada semana envio uma notícia refletida para a Rede de emissoras da Pan Amazônia da Associação latino americana de educação radiofônica, ALER.

A cúpula da Igreja Católica está em assembleia anual eletiva. São cerca de 305 bispos da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB. Com a eleição de nova diretoria há uma expectativa sobre quais os rumos irá tomar a liderança da Igreja neste período tão cruel para vidas dos trabalhadores, dos pobres e dos jovens. Deformação da previdência social, corte de 30 por centos dos recursos para universidades públicas, retirada dos cursos de sociologia e filosofia do ensino médio, e assim por diante.

 

Os primeiros sinais dos novos líderes são considerados moderados, o que pode significar ponderação diante da situação social do país. Apoiam verbalmente a linha pastoral do Papa Francisco, mas preferem não ser profetas, mas crentes no diálogo. Assim, além da tradição de marcar uma audiência da cúpula com o papa Francisco, a nova presidência  da CNBB pretende se reunir com o presidente Jair Bolsonaro.

 

Dizem que o objetivo do encontro é abrir um “canal de diálogo” com o governo e discutir temas voltados à Igreja.  O estilo de diálogo que pretendem ter com o psicopata presidente do Brasil é de convencer suavemente com boas intenções como eles afirmam: “O Brasil que queremos emergirá do comprometimento de todos os brasileiros com os valores que têm o Evangelho como fonte da vida, da justiça e do amor. Queremos uma sociedade cujo desenvolvimento promova a democracia, preze conjuntamente a liberdade e a igualdade, respeite as diferenças, incentive a participação dos jovens, valorize os idosos, ame e sirva os pobres e excluídos, acolha os migrantes, promova e defenda a vida em todas as suas formas e expressões, incluído o respeito à natureza, na perspectiva de uma ecologia humana e integral.

 

Diferente é a posição da Comissão Justiça e paz, organismo vinculado à CNBB que assume sem rodeios uma posição profética. Diz o seguinte: “ A Comissão cumpre seu dever de se colocar ao lado das forças sociais que defendem os interesses dos trabalhadores e segurados que resistem para impedir a retirada “dos pobres do orçamento e da Constituição”. Isto é a luta para impedir que se enfie o dinheiro dos impostos no bolso de poucos abastados. A Seguridade Social é um direito do cidadão e um dever do Estado, um projeto de nação e não um negócio de compra e venda! A esperança de muitos cristãos é que a liderança da CNBB perceba que diálogo só existe quando as partes mesmo antagônicas tenham capacidade de escutar e refletir, o que Não é possível com presidente Bolsonaro. E que em pouco tempo a CNBB siga a mesma linha da Comissão brasileira Justiça e paz.

 

 

Serás liberto, sim pelo direito, mas com justiça praticada

Postado em

Editorial – RNA  – 03.05.2019

O lema da Campanha da Fraternidade nos alerta – “serás libertado pelo direito e a justiça”. É um apelo muito oportuno, especialmente para nós moradores da Casa Comum, Amazônia. A campanha em si encerrou na semana santa, mas o desafio continua presente – ou lutamos por justiça, ou nunca seremos libertados.

Uma das políticas públicas carecendo de urgência na Amazônia é o saneamento básico. Este inclui, o esgotamento sanitário e o tratamento adequado do lixo que geramos. Lançar esgotos nos rios e igarapés é violência e crime institucionalizado de graves consequências para a natureza e as gerações presentes e futuras. E o lixo que geramos todo dia para onde vai? Manaus, São Luiz, Porto Velho, Boa Vista? Para onde vão os 140 toneladas de lixo diários da cidade de Santarém?

Antigamente existia o Ministério das cidades que estimulava tratamento adequado do lixo, inclusive oferecia financiamento. E hoje? Com tanto corte de recursos do governo par investimento o que fazer? Esperar pelos prefeitos e vereadores? Mas eles estão preocupados com seus salários e penduricalhos. Então como fazer para se conseguir justiça e cumprimento de nossos direitos de tratamento adequado do lixo?

Em Santarém do Pará hoje surge uma forma de se conseguir fraternidade e políticas públicas. Não é a primeira vez, mas a paciência popular está se esgotando. Um grupo de comunidades que vive no entorno do chamado LIXÃO do PEREMA resolveu dar o grito por direito. Bloquearam a entrada dos carros de lixo na entrada do lixão. Motivo? Vários deles vivem abaixo da serra onde fica o lixão e com as chuvas rompeu mais uma barragem de rejeitos e chorume  . Toda a sujeira desceu para o igarapé ao pé da serra do lixão.  Chega!! Disseram eles e elas e bloquearam a rodovia. Veio a polícia e eles perguntaram se os polícias tinham filhos e famílias? E se sabiam o que estava acontecendo coma poluição dos igarapés próximos do lixão? Os policiais recuaram e foram embora. Agora  aguardam o prefeito e mantiveram o bloqueio até o fim do dia.

Assim se leva a sério o tema da Campanha da Fraternidade, quando o poder público recolhe os impostos e não cuida das políticas públicas. Bem que esse exemplo pode ser seguido em Manaus, Porto Velho e na Amazônia.