Mês: agosto 2019

Governo Bolsonaro tenta tapar o sol com peneira e Amazôniaqueima

Postado em

Notícia para Rio MAR  26.08.2019

 

Boa tarde Gecilene, boa tarde ouvinte inteligente que se liga na emissora respeitada de Manaus e do Amazonas. Imagino que você, como muitas pessoas estão ouvindo e até acompanhando essas notícias sobre os crimes ambientais e administrativos do governo Bolsonaro. A questão dos incêndios se alastrando em nossa Amazônia são crimes contra nós e nosso planeta. Posso imaginar o aumento de calor aí em Manaus agora ampliado pelos incêndios criminosos. Você já sabe que os incêndios também estão acontecendo no Estado do Amazonas?

Pois é, verdade. As pesquisas do Instituto nacional de pesquisas espaciais indicam que entre os 71.500 focos de queimadas estão incluídos os incêndios que são provocados no sul do Amazonas. A fumaça que já chegou até em São Paulo, se não chegou em Manaus deve estar para chegar. O governo Bolsonaro e seus ministros sem compromisso com nossa Amazônia e nós seus povos, eles querem tirar sua responsabilidade dos crimes querendo culpar a imprensa as ONGs os próprios moradores da Amazônia. Você engole essa mentira? Todos os anos o pequeno agricultor faz roçado, queima dois ou três hectares de mata. Nunca houve tantos incêndios com está acontecendo agora.

Está provado que o governo Bolsonaro cortou verbas do IBAMA, ICMBIO e FUNAI daí que esses órgãos não tem recurso para fiscalizar. Além, disso Bolsonaro em sua irresponsável verborreia, já anunciava antes que era preciso permitir entrada de fazendeiros, mineradores o agronegócio nas terras indígenas e áreas de proteção ambiental, o que prova que ele estimulava a destruição da Amazônia. Para completar as causas de tantos incêndios na Amazônia, está provado que o MPF alertou o governo sobre um plano dos grileiros do Pará de realizar o domingo do fogo ateando fogo em Novo Progresso, Altamira e outros lugares, tudo combinado pelos fazendeiros e grileiros.

O governo não tomou nenhuma providência para impedir tais crimes.Então, ouvinte se você foi iludido/a em eleger Bolsonaro presidente da república, agora todos nós estamos sofrendo consequências. Será que você aprendeu uma lição? Agora se você ainda insiste em apoiar tal criminoso então você faz parte do crime. Mas se você compreende o grau de sofrimentos que o governo está caus ando a nós todos e está decidido/a a lutar para sairmos dessa crise, somos irmãos e companheiros.

Governo trila pela porta larga da perdição

Postado em

Análise da semana –  Nossa voz é nossa vida – 25.08.2019

Bom dia pe.  Guilhermo nosso coordenador do programa, que cada semana vai tendo mais ouvintes  inteligentes.  Hoje a análise está gravada porque estou neste momento na comunidade Santa Luzia do Eixo Forte, numa celebração da santa missa. Para os e as moradoras desta comunidade nosso abraço, como também um grande abraço para moradores da comunidade São Domingos do Tapajós. Ontem tivemos um produtivo encontro de nossa equipe do Movimento Tapajós Vivo com 48 moradores daquela comunidade. Estão interessados em implantar a energia solar para bombeamento de água comunitária. Querem se livrar da exploração imposta pela Rede Celpa. São Domingos, com microssistema para 78 famílias, paga 500 reais mês para bombeamento de água coletiva. Se a turma crescer no companheirismo pelo bem viver, terão energia grátis do irmão sol. Esta é uma boa notícia da semana.

No Evangelho proclamado em várias comunidades, alguém surge com uma pergunta interessante ao mestre Jesus – “serão muitos os que se salvam, Senhor?” Mais interessante a resposta de Jesus –  “Se vocês querem se salvar, entrem pela porta estreita, pois a porta larga leva à perdição eterna”. Eita ! Qual é aporta estreita?  Segundo Jesus, é praticar a justiça e a solidariedade, que nem sempre é fácil. Por exemplo, olhando como o presidente Bolsonaro está fazendo com a Amazônia, com os trabalhadores e estudantes, ele está na porta estreita ou larga?… E boa parte dos políticos nacionais e municipais, do jeito que estão abandonando as comunidades, estão por qual porta? Também pessoas das comunidades e cidade, que só pensam em si, não lutam com os outros pelo bem do bairro ou da comunidade, que porta estão entrando? E quem votou no atual presidente do Brasil, entrou por qual porta? Sei de vários que entraram pela porta larga da ilusão de que Bolsonaro seria a salvação da pátria, mas já perceberam o erro e recuaram antes de se perderem; outros porém, continuam andando pela porta larga e vão se dar mal, segundo a orientação do mestre Jesus.

Você já deve estar me perguntando sobre as desgraças do momento, os incêndios na Amazônia, não é? É verdade tudo o que as notícias estão dizendo? Quem está provocando tantos incêndios na Amazônia? Quem são os culpados?

Pois bem, a verdade é que a Amazônia está pegando fogo, No Acre, Rondônia, Mato Grosso, Amazonas, Pará, esses são os principais estados incendiados. Só no mês de julho passado, de acordo coma o Instituto Nacional de Pesquisa Espacial, IMPE, foram destruídos 1.287 quilômetros quadrados de floresta. Pode se imaginar quantos mais estão sendo destruídos pelo fogo nesses 25 dias de agosto.

A situação é tão grave que países europeus se reuniram ontem na França para decidir como impedir que o governo brasileiro continue facilitando a destruição das florestas do chamado pulmão do planeta. O mais grave da situação é que o presidente Bolsonaro não para de acusar as ONGs de provocarem incêndios para desmoralizá-lo. Mas não tem nenhuma prova, apenas faz acusações aúfa. Não tem mínima cerimonia de dizer coisas sem provar nada.  E ainda debocha dos outros.

Porém, a reação contra esse desprezo do governo federal para com os povos tradicionais e a biodiversidade da Amazônia, está acontecendo em várias cidades do Brasil e do estrangeiro. Um grupo de políticos e intelectuais da América Latina publicou um protesto concluindo que:  “Bolsonaro não está apenas colocando fogo na Amazônia, está queimando a soberania do Brasil, a soberania dos demais países da Bacia Amazônica e o futuro de toda a humanidade”.

Também a direção da Conferência dos bispos do Brasil e o Papa Francisco, manifestaram preocupação com essa destruição da Amazônia por parte do governo Bolsonaro   exigem providências concretas para salvar este pulmão do planeta que está doente. Está faltando nós aqui de Santarém e região darmos nosso grito de alarme e exigência para o governo salvar a Amazônia.

 

Depois da música temos uma receita medicinal caseira para você;

 

Remédio para controlar a diabete receita de dona  Celeste de São Domingos:

1 Matéria prima – Folhas de cuieira e casca de andirobeira;

  1. Modo de preparar: Fazer um chá com três folhas de cuieira com três centímetros de casca de andirobeira; árvore;
  2. Modo de tomar – Encher um litro com esse chá e tomar ao longo do dia o até acabar; no dia seguinte faz novo chá e toma ao longo do dia durante dez dias. Faz uma pausa de cinco dias e faz nova tomada de dez dias. Lembrando que assim dona Celeste controla bem a diabete dela e levanta a moral.

Tragédia continuada na Amazônia e cinismo do governo

Postado em

Editorial  RNA  21.08.2019

É grave, muito grave a situação da Amazônia, seus povos e sua biodiversidade. Os incêndios se lastram ainda antes do verão forte chegar. São centenas de queimadas simultâneas em Rondônia, Mato Grosso, e Amazonas. Segundo o Instituto de pesquisa espacial, IMPE só em junho passado foram 762,3 quilômetros quadrados de floresta destruída. Certamente aumentou dobrou o número de quilômetros nos meses de julho e agosto. O aumento de fumaça sobre Porto Velho na semana passada e as nuvens escuras na cidade de São Paulo revelam o grau da tragédia ambiental por que passa o país e a Amazônia em particular. Desde segunda-feira, os institutos de meteorologia da Universidade de São Paulo vêm associando a escuridão que se abateu sobre São Paulo à mistura de nuvens de chuva a fumaça de queimadas nas regiões do Pantanal e da Amazônia, trazidas por ventos intensos de noroeste. Além do céu, água também escureceu e tinha “forte cheiro de queimado”, conforme diversos relatos de moradores da cidade.

Mas não é de hoje essa tragédia ignorada pelo governo Bolsonaro. De 2004 até 2018 foram mais de 140 mil quilômetros quadrados de floresta destruídos na Amazônia, desde quando intensificou o agronegócio de soja e gado na região. O presidente Bolsonaro, de modo irresponsável acusa as ONGs de estarem queimando a floresta para colocarem a culpa nele. Um deputado federal indignado chamou o presidente de cínico pois ele tem sido o maior estimulador da destruição da Amazônia. Foi no governo atual que estão sendo esvaziados órgãos de fiscalização ambiental como IBAMA< ICMBIO e FUNAI. Jornais e sociedade internacional está alarmada com o grau de queimadas na Amazônia. Alemanha e Noruega já deixaram de enviar mais de 300 milhões de reais para apoiar a defesa da Amazônia, por causa da arrogância do governo Bolsonaro.

Ainda ontem chegou à Câmara de deputados em Brasília um abaixo assinado com mais um milhão de assinaturas, exigindo do Congresso Nacional, medidas urgentes para salvar a Amazônia da destruição. Mas o Ministro do meio ambiente comprometido com a política do presidente, mesmo tendo sido vaiado recentemente, não pensa mudar a política de apoiar os depredadores da floresta, para ampliar o agronegócio. Só a pressão maior e ativa da sociedade civil organizada poderá levar o governo federal a cuidar região tão importante para os povos da floresta e o planeta.

Maria mulher espelho para nós

Postado em

Análise da semana Nossa Voz é Nossa Vida  – 18.08.2019

Hoje os cristãos celebram uma pessoa que foi feliz por aprender a dialogar com Deus, enfrentar a sociedade e seguir o projeto divino. Maria mãe de Jesus. Por tudo isso que ela foi é venerada como tendo sido elevada ao céu em corpo e espírito, igual seu filho. Com uma diferença, ele subiu por si, ela foi levada, segundo a tradição cristã. Vale a pena trazer esta memória ao avaliarmos a semana que passou. Ela deixou alguns rastros que merecem nossa reflexão.

Um primeiro rastro é mais um crime cometido pelo presidente da república contra os trabalhadores. Lançou uma medida provisória 881 aprovada pela Câmara federal. Ela tira o descanso e mais um pouco da renda do trabalhador. Agora, domingos e feriados, serão trabalhados sem remuneração extra. Só depende do empregador. Ângelo Farias da Costa,  presidente da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho   critica esse crime assim:  “A Constituição fala que tem que haver um repouso semanal remunerado preferencialmente aos domingos, que é um dia de convivência familiar, com amigos, enfim, um dia para lazer. Claro que ele pode ser utilizado pelo trabalho, não é uma rigidez. Mas o que esse projeto faz é liberar totalmente o trabalho aos domingos e feriados sem qualquer tipo de contrapartida para o trabalhador, sem qualquer tipo de pagamento”. Pergunta se, até quando as organizações de trabalhadores e famílias vão suportar conformados esses crimes continuados do governo federal?

Aqui no município de Santarém acontece outro crime contra a sociedade, especialmente moradores dos bairros periféricos e zona rural. Trata-se do saneamento básico que por lei federal deveria já estar concluído. Inclui água, esgotos, lixo e água servida.

Quem anda no centro da  cidade observa dezenas de rompimentos do asfalto das ruas, que foram abertas para o tal sistema de esgotos. Primeiro crime foi na quebra do asfalto que já não era bom, depois de ligar os esgotos das ruas, não recuperaram o asfalto, daí o tabuleiro de picolé. E para agravar, segundo o sindicato dos urbanitários, a tubulação não chegou ao seu destino, portanto não está funcionando. Corre boato de alguns moradores do centro da cidade fizeram a ligação de suas casas para o esgoto da rua, mas não há  saída final.

Dentro ainda do plano de saneamento básico,  a prefeitura já até contratou uma empresa para gerir os micro sistemas de água. Fez isso sem uma negociação com as dezenas de micro sistemas  na cidade, no planalto e até no Lago Grande do Curuai. Acontece que várias organizações de usuários de micro sistemas não aceitam privatização, com razão e garantem manter seus micro sistemas com segurança e não dependem da prefeitura. A gestão municipal se assemelha à gestão do presidente da república, sem rumo, sem diálogo com a sociedade, uma ditadurazinha grotesca. A empresa  contratada Nova Com está suspensa pelo Tribunal de contas dos municípios por irregularidade da prefeitura.

Mas como a vida é entremeada de tristezas e alegrias, na semana passada houve  sinais positivos. Um deles foi as manifestações populares em 220 cidades brasileiras em defesa das universidades e da educação. O governo federal sabe que pouco a pouco, a sociedade civil está se inquietando e quer pressionar os políticos a respeitarem a Constituição. Inclusive em Santarém houve manifestação pelas ruas e praça. Não eram muitos os participantes, o que revela muita alienação de estudantes ameaçados de perderem a gratuidade da universidade. São mais de 10 mil universitários e 30 mil secundaristas, apenas cerca de 200 compareceram à manifestação.

Por outro lado, em outro sinal positivo da semana, milhares de mulheres indígenas e não indígenas, deram seu grito de basta lá em Brasília. Direitos constitucionais não se pode jogar fora simplesmente, foi o que disseram em alto e bom som as mulheres  brasileiras ao presidente da república em frente ao palácio do Planalto.

 

Como santareno analisa a realidade conjuntural

Postado em

Análise de conjuntura político social e os impactos na Amazônia

Pe. Edilberto Sena para os Francisanos da Custódia São Benedito do Tapajós

15 de agosto 2019

  1. Brasil, que sonhou ser um país interdependente com seus vizinhos e seus parceiros do “sul do Mundo”. Chegou até fazer parte dos BRICS (Sociedade entre Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), hoje marcha acelerado a uma regressão ao início do século XX. Por trás do desastre do governo Bolsonaro, há causas mais profundas, que só agravam pela ausência de um projeto de Nação.
  2. O capitalismo neoliberal vive uma crise, que pode ser terminal para sua existência. É verdade que sempre houve crises no sistema, mas esta mais recente a partir de 2008, é mais profunda. Brasil, país periférico, sofre os impactos com mais violência, a exemplo de outros, como Argentina e Venezuela. O capital produtivo chega hoje a cerca de 90 trilhões de dólares (tudo o que o mundo produz e negocia). Enquanto isso, o capital financeiro (aquele das bolsas de valores  e dívidas dos países), chega hoje a 270 trilhões de dólares. Isto quer dizer que o dinheiro virtual manuseado pelas bolsas de valores e credores, é   três vezes mais  do que o produzido e negociado. Esse desequilíbrio cria uma instabilidade entre os países e os negociantes. Imagine se o Bradesco, ou Itaú resolvesse exigir que o Banco Central devolvesse em espécie, toda a dívida do país om o Banco. A dívida pública do Brasil chega hoje a 4,5 trilhões de reais. Desse montante, 2/3 é dívida interna (aos bancos e empresas credoras). No ano passado 48% de toda a arrecadação de impostos no país, foi para pagar juros da dívida pública.

Isso explica em parte, porque o governo facilita a disseminação de agrotóxicos no agronegócio, permite entrada de mineradores  e outros nas terras indígenas, como explica a  destruição das leis trabalhistas e a deforma da previdência social. Tudo para atender interesses dos empresários e aumentar a produção para cobrir os compromissos com a dívida pública. Eis por que a Amazônia hoje é a região mais requisitada, invadia e destruída, pois ela é o celeiro pronto a salvar a economia de  um país agroextrativista.

  1. O Brasil bolsonarista, segundo alguns analistas sérios, é um país periférico, útil a salvar o sistema neoliberal em crise. A eleição de Bolsonaro foi forjada pela tecnologia das notícias falsas, junto com um governo fraco da Dilma Roussef, um anti petismo tratado como bode expiatório e uma população despolitizada. O presidente atual pode ter sido uma escolha errada do empresariado interessado em mudar a política distributiva do lulismo e que não se sabe se ainda vão aturá-lo. Bolsonaro parece palhaço mas não é, parece bobalhão, mas não é. Não é inteligente para o cargo que assume, mas é o bobo da corte. Ele faz sua pantomina, sabendo que faz isso para manter a sociedade distraída, rindo ou com raiva. Enquanto isso, o ministro da economia executa o plano de privatizar as empresas estatais, negociar as reformas, controlar a inflação. Mas como ele não tem noção do que implica administra um país, a economia vai sendo desmantelada. Agora mesmo ele decide vender parte das reservas cambiais construídas pelos governos Lula e Dilma. Faz isso porque seu plano econômico não está dando certo e a economia está caindo. Não se sabe até quando o governo vai Os militares que deram garantia ao governo, parecem divididos, mas poderão dar um golpe e entregar a presidência ao atual vice, General Mourão.
  2. Como essa crise atinge fortemente os povos tradicionais e a natureza da Amazônia? Toda a segurança do bem viver é prejudicada. Para manter o “programa” acima, o governo Bolsonaro coloca pessoas completamente incompetentes em vários ministérios, como Meio Ambiente, integração regional, educação. Segue o desmanche da segurança esvaziando INCRA, IBAMA, FUNAI. Ao mesmo tempo, autoriza uso intensivo de venenos agrícolas (220 agrotóxicos foram aprovados pela ANVISA nos últimos sete meses)  para aumentar a produção do agro negócio.   Permite a entrada de garimpeiros e exploração madeireira em terras indígenas, modifica o acesso às terras públicas.

Para exemplo, só aqui nos municípios de Belterra, Mojui e Santarém são 70 mil hectares de terra plantada com soja e milho sustentados por agrotóxicos. Ao mesmo tempo, neste ano, no hospital regional entraram 1.776 pacientes com câncer. Já no ano passado tiveram procedimentos na oncologia 18.575 casos.  Isso indica que o avanço do agronegócio só destrói os povos e a natureza da Amazônia, sem que a vida melhore.

  1. Por fim, quais as perspectivas de mudança desta realidade nacional e regional? Está difícil uma previsão. As forças de resistência estão muito frágeis. Movimentos populares, sindicatos, igreja não indicam sinais de resistência. Incrível que na recente manifestação em defesa da educação, quando houve grandes concentrações em 220 cidades do país, em Santarém estiveram na praça apenas cerca de 150 participantes e padres, apenas dois, mesmo tendo sido convidados expressamente. Por isso, sem ser pessimista, fica a impressão que ainda vamos sofrer vários anos até que surja uma resistência consistente. Eis um desafio para os franciscanos e para padres diocesanos, como pastores do povo.

Ecologia integral inclui energia solar na Amazônia

Postado em

Análise Da semana Nossa Voz é Nossa Vida  –  04.09.2019

Prezado e prezada ouvinte, como está você? Como passou a semana? Quaisquer que tenham sido seus momentos difíceis e os momentos legais, saiba que Jesus garante que acompanhou você silenciosamente. Não o culpe se algo andou errado. Por exemplo, não culpemos Jesus porque a situação do povo brasileiro está indo de mal a pior, com os governantes só favorecendo os ricos e prejudicando trabalhadores, estudantes e os pobres. Deus não mandou elegerem os malditos que hoje fazem leis e decretos que destroem a natureza amazônica, geram desemprego, tiram direitos de jovens frequentarem universidade pública.  Veja o caso recente daquela tal ministra da cidadania, que diante da grave crise de violência sexual a crianças e adolescentes no Marajó, em vez de exigir prisão dos violadores, apenas sugere que se traga uma fábrica de calcinhas para vestir as crianças do Marajó. Pode ela ser uma boa ministra? E o caso do tal ministro da educação, veio tirar férias em Alter do Chão, depois de seis meses de serviço. Levou críticas  e repúdio da juventude borari e se saiu como vítima de vândalos. Logo ele que faz vandalismo ao tirar recursos das universidades, apoia a retirada de sociologia e filosofia do ensino médio, ainda espera aplausos da juventude? Quem depois se humilhou   pedindo desculpa ao ministro, ou é rico, ou alienado.

Mas vamos analisar coisas boas que aconteceram na região nestes dias. Durante a semana, recebi um livrinho que você precisa também conhecer. Trata-se do instrumento de trabalho, que os bispos e demais participantes do sínodo para a Amazônia utilizarão em outubro lá no Vaticano. Esse livrinho é o resultado dos questionários respondidos por mais de 10 mil cristãos dos nove países da Pan Amazônia. Diz assim: “Desta maneira, a escuta dos povos e da terra por parte de uma Igreja chamada  a ser cada vez mais sinodal, começa entrando em contato com a realidade constante de uma Amazônia repleta de vida e sabedoria”. Você deveria conhecer  o que os membros do sínodo debaterão em outubro no Vaticano. Procure na livraria católica ali atrás da catedral, ou peça de seu vigário para ele mandar buscar em Brasília, na CNBB. Sínodo para a Amazônia será um novo caminho para Igreja e para a ecologia integral. Não podemos ficar alheios e alienados. Também sugiro que você leve esse assunto para reflexão e compreensão nos encontros da CEB, Grupo de Oração, terço dos homens e outros momentos de comunidade.

Uma outra coisa importante aconteceu na semana, foi um treinamento ocorrido sexta e ontem, sobre uso da energia solar em residências, bombeamento de água de poço artesiano e locais comunitários. O Movimento Tapajós Vivo, leva adiante um projeto de uso da energia solar como alternativa às hidroelétricas destrutivas. Então, veio um especialista em energia elétrica da Paraíba facilitar um treinamento para 15 membros de comunidades rurais e urbanas dos município de Belterra e Santarém. Até ontem eles e elas aprenderam a captar a energia solar para fins comunitários, inclusive a confecção de lâmpadas LED popular. São gente simples fazendo coisas simples, que fazem a diferença na sociedade. Hoje há pessoas na região utilizando  energia elétrica do sol em casa , para geladeira, ventilador e lâmpadas.  Vamos impedir construção de hidroelétricas, que prejudicam pessoas, rios e a natureza.

Você também pode começar a pensar em ter energia elétrica do sol em sua casa. Como diz o ditado, querer já é poder e quem não arrisca não petisca. Vamos lá, coragem,  a vida pode ser diferente.